Coronavírus: pesquisa revela que mais de 50% dos produtores foram prejudicados

32% afirmaram ter solicitado a ajuda do governo para enfrentar a crise da pandemia

01

Os resultados são referentes a uma pesquisa realizada pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, ouvindo 1.166 produtores rurais, no período de 11 a 14 de maio. Segundo o estudo, a maior justificativa para redução na renda, foi devido fechamento de mercados específicos como restaurantes e cozinhas industriais.

O levantamento pontua, ainda, os principais problemas enfrentados por cada setor. Os técnicos da Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CDRS), que acompanharam os produtores em suas atividades, apontaram que a nova realidade tem modificado o modo de viver dos produtores, onde 20% afirmam reduzir gastos. Com relação a renda, 18%  sofreram perda em 50% de seus valores recebidos desde início da pandemia. Com a falta de disponibilidade e recursos, uma alternativa tem sido a busca pelo auxílio emergencial do Governo. Dos agricultores entrevistado, 32% afirmaram ter solicitado a ajuda.

Um dos setores mais impactados, são as floriculturas. Além dos baixos preços, causados pela redução na demanda, o cancelamento de grandes eventos, como o casamento, muitos produtores afirmam redução de até 90% na receita. Essa afirmação foi recentemente divulgada aqui no site Nação Agro.

+Mercado de flores reage com retorno de vendas para dia das mães

Já o setor de frutas, obteve prejuízos devido a falta de mercado e queda nos valores pago ao produtor. Como são produtos perecíveis, manter frutas em estoque não seria uma saída, aponta o estudo. Em algumas regiões produtores tiveram que descartar toneladas de mamão, pois não teriam como enviar para o mercado devido ao custo de logística. Outro impasse dos fruticultores, foi com os valores do preço de frete aéreo. Em entrevista ao Família Nação Agro, Alexandre Duarte, diretor de logística da Abrafrutas – Associação Brasileira dos Produtores Exportadores de frutas, comentou que os custos de frete aéreo para exportação de frutas chegou a dobrar neste momento de pandemia.

+ Frete aéreo dobra de preço em tempos de pandemia 

Para produtores que dependem da atividade leiteira, os impactos também foram percebidos. Custos de produção, redução de estoques e demanda estável, também foram pontos levantados pesquisa. Mas, diante deste cenário, tivemos exemplos de superação e novas adaptações. Veja o vídeo no nosso instagram (@familianacaoagro), o queijeiro que começou a vender seus produtos via redes sociais.

Na cafeicultura também houve, aumento em custos de produção e falta de mão de obra para colheita. Mas houve mudanças no protocolo de colheita. Cartilhas foram elaboradas com novas práticas, utilizando mecanização e equipamentos individuais.  

 +Colheita do café acontece com prevenção e cuidados contra o coronavírus

Aumento de preço de insumos como medicamentos, rações e defensivos foi a principal reclamação dos entrevistados. Houve também baixa oferta de alguns produtos como: EPI (máscaras, luvas), farelos de soja, trigo e milho; cevada; ração e sementes de hortaliças.

Notícias Relacionadas:

Pousada ao pôr-do-sol com árvores é opção para turismo rural

Inovação ajuda na retomada de turismo rural em São Paulo

Demanda por turismo rural deve aumentar com a flexibilização das atividades no estado

Preço da batata sobe

Falta de chuva faz preço da batata subir 76% em outubro

Cepea/Esalq prevê manutenção da valorização dos preços nos próximos meses devido ao “adiantamento da colheita” e baixo volume de chuva

Família Nação Agro explora mercado de cogumelos, apicultura e turismo rural

Durante a semana, projeto do SENAR-SP visitou os municípios de Sorocaba e Ubatuba