Saiba como aumentar os lucros com processamento de alimentos

O processamento de alimentos permite uma rentabilidade de até 80% maior; aprenda como processar palmito de pupunha e banana desidratada

cooperativa de processamento de alimentos

Reportagem: Flavia Macedo

O Programa Técnica Rural Especial Família Nação Agro preparou uma super reportagem para ensinar o processamento do palmito de pupunha e banana passa.

Cesta de alimentos processados – Lá do Kintal / Foto: Flávia Macedo

Processamento de alimentos aumenta rentabilidade

De acordo com Suzana Afonseca, coordenadora administrativo financeiro da Cooperativa da Agricultura Familiar de Sete Barras (Coopafasb), o processamento de alimentos agrega valor ao produto e pode aumentar a rentabilidade do produtor rural em até 80%.

“Dessa forma, é possível conseguir valor no mercado bem superior ao que seria vendido para indústria, por exemplo. É possível ter um rendimento 80% superior ao que ele teria se vendesse o palmito, mesmo tirando os custos de produção, transporte e embalagem, ainda assim, consegue um retorno bem maior que chega a 80% maior”, comentou.

Logo, processar os alimentos pode significar dinheiro no bolso.

Vamos conhecer as etapas para processar alimentos?

Processamento de palmito pupunha / Foto: Flavia Macedo

1) Processamento de alimentos: palmito pupunha

Primeiramente, a dica já começa na roça de palmito. Segundo o produtor, Rafael Ramos da Silva, o ideal é realizar o corte a cada três meses para que a touceira da palmeira não cresça demais e fique dura, pois assim vira madeira e ninho para as brocas.

“Não pode cortar muito mole palmito porque chega lá na produção eles vão cortar mais um pedaço e você vai perder o produto, vai perder dinheiro. Então, o certo é cortar com um pouquinho de madeira, uns dez centímetros para chegar lá ele descascar e não perder”, ressaltou.

Cortando haste de palmito / Foto: Flavia Macedo

Mais dicas

  • Processar em até 24 horas depois de cortado;
  • As hastes não processadas devem ser refrigeradas entre 4 a 6 graus;
  • Realizar primeira triagem ao descarregar o caminhão;
  • Limpeza deve ser feita apenas com um pano limpo e seco, o tecido não pode soltar fiapos;
  • O ambiente onde o produto for manipulado precisa estar entre 16 a 18 graus.

Mantenha sempre o padrão de qualidade

Para garantir a fidelização do cliente é importante manter o padrão dos cortes, a pesagem e qualidade dos alimentos. Afinal, a primeira compra é feita com os olhos.

Cortes:

  • Hastes de 30 centímetros: cortar nesta medida e vender com casca para assar na churrasqueira;
  • Lasanha: pode ser feita no ralador. A medida de cada lâmina deve ser de 8 centímetros de comprimento e 4 centímetros de largura;
  • Rodelas: extrair da cabeça e coração do palmito;
  • Toletes: são retirados do comprimento da haste. A medida padrão é 9 centímetros;
  • Palmito picado: feitos com a rodela ou ainda da banda que sai do descarte do tolete;
  • Por fim, tipo macarrão espaguete: fazer no ralador. Medida é cerca de 2 milímetros de diâmetro. Logo depois, ele passa por um processo de drenagem e fica entre 30 a 60 minutos escorrendo toda a água para depois ir para o setor de embalagem.

Você conhece a palmeira pupunha?

A pupunha é uma planta nativa da região amazônica. A palmeira também é conhecida como pupunheira ou palmito pupunha. Cada haste pode crescer até 20 metros. Os dados são da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Nutrientes do palmito
Definitivamente, o palmito é saudável. A planta é rica em vitamina A, C e as do complexo B, além de ser fonte de minerais como zinco, potássio e sódio.

Produção
O estado de São Paulo é um dos principais produtores. A planta é uma solução viável para a indústria palmiteira, quando comparada a outras palmeiras nativas, como o açaí e a juçara, porque a touceira da pupunha se renova a cada extração, dessa forma é uma atividade sustentável.

Processamento da banana / Foto: Flavia Macedo

2) Processamento de alimentos: banana desidratada

Para desidratar a banana, o fruto precisa estar bem maduro, colhido cerca de uma semana antes. Em suma, a banana passa pode ser feita com a maioria das variedades. O ambiente onde o produto for manipulado precisa ser climatizado, entre 16 a 18 graus, pois o calor acelera a maturação.

Cacho de banana / Foto: Flavia Macedo

Dicas colheita:

  • Tamanho do calibre do cacho: entre 34 a 40 milímetros para a variedade nanica e 32 a 38 milímetros para a prata;
  • Colocar os cachos na guincheira e retirar os restos dos pestilos presos no fruto, desta forma tem mais aceitação no mercado;
  • Fazer a primeira triagem e retirar as unidades maduras;
  • Colocar as pencas no tanque com água para a limpeza;
  • Fazer a segunda triagem e separar as pencas por tamanho para acomodar melhor na caixa (cada caixa comporta entre 11 a 12 pencas);
  • Para evitar que o fruto tenha impacto, use papelões para proteger as bananas durante a viagem;
  • As bananas devem permanecer em ambiente climatizado, entre 15 a 18 graus até a entrega para o cliente.

Processamento de banana passa / Foto: Flavia Macedo

Dicas processamento:

Quanto de banana você vai precisar ?

Primeiramente, faça a pesagem. Para produzir aproximadamente 40 bandejas de 150 gramas cada uma, são necessários de 30 a 40 quilos de banana.

Posteriormente, com a banana descascada, passe o fruto por três lavagens. A primeira delas é feita em água corrente, lavando cada unidade embaixo da torneira. Na sequência, o fruto vai para a segunda lavagem dentro de um recipiente.

A terceira e última lavagem é feita em água diluída no limão. São quatro litros de água para sete limões. Neste processo foi utilizado o limão rosa ou caipira, como também é chamado, mas outras variedades são igualmente eficientes. Em síntese, o limão faz o papel de conservante natural.

Enfim, depois de receber o banho de água com limão, a banana fica mais lisinha e com coloração amarelada.

“Quando a banana já passou pelos três processos ela perde a película que ela tem, fica mais aveludada e vai abrindo para um tom meio amarelada”, enfatizou Luana Cunha, auxiliar de produção.

Último passo – desidratador

As bananas permanecem no desidratador por um dia e meio. Nas primeiras 24 horas o forno deve ser mantido na temperatura de 65 graus e o restante a 60 graus. Depois, as bananas vão para o processo de esfriamento.

Para esfriar totalmente, elas devem permanecer de 24 a 48 horas em um recipiente totalmente vedado em temperatura ambiente. Assim as bananas diminuem cerca de 60% de tamanho, pois perdem praticamente todo o líquido.

Mantenha sempre um padrão na pesagem para respeitar o consumidor. A última etapa é a embalagem e o selo de produção artesanal.

Por fim, atenção que o prazo para o consumo é de 180 dias a partir do momento da produção.

Colheita banana / Foto: Flavia Macedo

Saiba mais sobre a banana, o fruto mais popular do mundo

A banana é o fruto mais popular e mais consumido no mundo. A planta é originária na Ásia e hoje a Índia é a maior produtora.

Atualmente, na fruticultura brasileira, a banana é o segundo fruto com maior volume de produção, perdendo apenas para a laranja. Em São Paulo, a região do Vale do Ribeira é responsável por quase 80% de todo o volume produzido no estado.

Nutrientes da banana
A banana é rica em fibras, potássio, vitaminas do complexo B e vitamina C, além de possuir minerais como magnésio, cobre e ferro.

Notícias Relacionadas:

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Secretaria de Agricultura orienta pecuaristas e desenvolve estudos para controle do carrapato com o uso de produto natural e controle biológico

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

De olho no mercado de café, cafeicultores brasileiros vêm investindo na produção de cafés especiais em busca de maior retorno financeiro

FAESP busca isenção de ICMS para leite

FAESP busca isenção de ICMS para leite

A saída do produto cru e pasteurizado, que era isenta, passará a ser tributada em 4,14%