Marca própria de café é tendência para subir valor do produto

Produtores de Caconde (SP) mostram benefícios e cuidados para lançar uma marca própria de café no mercado

cafe-especial-torrado-em-grao-100-arabica-serie-exportacao-cafe-especial

O mercado do café passa por transformações, mas também vê surgirem novas oportunidades para o produtor rural, especialmente aquele focado em agricultura familiar. De acordo com Ademar Pereira, presidente do sindicato rural de Caconde (SP), investir na criação de marca própria não só aumenta o valor do produto, como o aproxima do consumidor final.

No município, a tendência de selo exclusivo surgiu com a alta produção local, que teve aumento de 7% na área plantada, passando de 7 mil hectares para 12 mil hectares. O resultado disso foi uma colheita de 18 mil toneladas de café na última safra. Vale lembrar que a região tem como característica o cultivo de café de montanha, mas seus 1100 metros de altitude também são ideais para a produção de café arábica.

“Isso foi berço da qualidade do café e para cultivo das propriedades. Então, a agricultura familiar, o manejo, o esmero, isso tudo tem ganhado destaque de maneira nacional e internacional”, disse Pereira, à reportagem do Canal Rural. Dessa maneira, com marca própria, o homem do campo pode valorizar sua produção, reduzir a negociação com intermediários e, assim, ver seu lucro aumentar.

“Eu iniciei com essa ideia, através de um curso do SENAR-SP de turismo rural, onde a gente fez o resgate da cafeicultura de Caconde. Isso despertou a possibilidade de agregar valor ao meu produto. E foi nesse curso que preparei o meu produto para que eu pudesse comercializar”, contou a produtora rural Rosalina Dias.

Dica do Sebrae

Porém, o gerente regional do Sebrae, Marcos Kremer, aponta os cuidados que o produtor deve tomar ao lançar sua própria linha de café. “Não adianta criar uma marca se não tiver qualidade. Por isso, a gente tem que sempre orientá-lo a melhorar o processo de produção. Melhorar a qualidade do café dele, para ele poder ter esse valor agregado do café”, afirmou.

Além disso, Kremer ressalta que o ideal é explorar uma mesma marca, pois a criação de diversas linhas de produtos acarreta mais gastos com registro e divulgação.

Abaixo, veja a matéria completa do Rural Notícias:

Notícias Relacionadas:

Taxa Selic baixa

Baixa na Selic pode favorecer acesso de produtores a empréstimos subvencionados

Faesp defende crédito competitivo no mercado financeiro e desburocratização na concessão

Turismo rural

Família Nação Agro traz novos debates sobre turismo rural e doma racional

Nesta semana, iniciativa do Sistema FAESP/SENAR-SP esteve nos municípios de Itobi e Nuporanga

Produtores buscam capacitação para diversificar turismo rural em Ubatuba

Em Dia de Campo Seguro, agricultores revelaram interesse em cursos de profissionalização em artesanato e gastronomia