Projeto Campo Favela une as duas pontas frágeis da cadeia alimentar

Pequeno agricultor vende seus produtos a um preço justo e o Projeto Campo Favela entrega os alimentos para as famílias em situação de vulnerabilidade

moradora recebe alimento Projeto Campo Favela

Em tempos de crise a solidariedade se faz presente. É o caso, por exemplo, do Projeto Campo Favela, idealizado por professores e alunos do Instituto de Ensino e Pesquisa de São Paulo (Insper).

A iniciativa surgiu para atender as duas pontas da cadeia de alimentos que mais foram impactadas pela pandemia da Covid-19. Por um lado, o pequeno agricultor e, por outro, as famílias de baixa renda e vulnerabilidade social.

Nesse sentido, a agricultura familiar foi bastante impactada com o fechamento dos bares e restaurantes e, ainda, com a suspensão da merenda escolar devido a paralisação das aulas. A estimativa é que a demanda foi reduzida em 80% neste período.

Da mesma forma, moradores da periferia da grande São Paulo, pois além das dificuldades que já enfrentam, muitos ficaram desempregados com o isolamento social.

Projeto Campo Favela conecta os elos frágeis da cadeia de alimentos

Nesse sentido, o Projeto Campo Favela une essas duas pontas, trazendo renda para os pequenos agricultores e alimentos de qualidade, por um preço acessível, para as famílias de baixa renda. O modelo de negócio sustentável será importante pós-pandemia.

Entenda como funciona:

1) Verba: projeto recebe doações de pessoas físicas e empresas para a compra de alimentos e logística de entrega;
2) Compra: alimentos são comprados de pequenos produtores rurais que não estão conseguindo escoar a produção;
3) Logística: os produtos são retirados da agricultura familiar e levados para as famílias em vulnerabilidade nas periferias de grande São Paulo;
4) Distribuição: os kits montados são entregues as Ongs e cozinhas comunitárias que distribuem os alimentos para quem precisa;
5) Movimentação: renda da venda dos kits é usada para as atividades locais.

Resultado
Por fim, como resultado, os números mostram que a solidariedade falou mais alto. Até julho, foram distribuídos 367,2 mil quilos de alimentos. O total arrecadado foi R$ 1,6 milhão. Até agora, foram beneficiadas 29,2 mil famílias em vulnerabilidade e 1.350 famílias de agricultores.

Pequenos produtores de banana de Sete Barras (SP) participam do projeto

Na região de Registro, no interior de São Paulo, a banana é a principal cultura cultivada. De acordo com Marcelo, produtor de banana e cooperado da Cooperativa da Agricultura Familiar de Sete Barras (Coopafasb), o Projeto Campo Favela trouxe um auxílio para os bananicultores. “A ideia é encurtar a cadeia produtiva com o consumidor final, disse.”

Você também pode ajudar

Por fim, Para contribuir, é só clicar aqui para fazer a sua doação, seja financeira, alimentos, produtos ou objetos.

Notícias Relacionadas:

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Secretaria de Agricultura orienta pecuaristas e desenvolve estudos para controle do carrapato com o uso de produto natural e controle biológico

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

De olho no mercado de café, cafeicultores brasileiros vêm investindo na produção de cafés especiais em busca de maior retorno financeiro

FAESP busca isenção de ICMS para leite

FAESP busca isenção de ICMS para leite

A saída do produto cru e pasteurizado, que era isenta, passará a ser tributada em 4,14%