Projeto Campo Favela une as duas pontas frágeis da cadeia alimentar

Pequeno agricultor vende seus produtos a um preço justo e o Projeto Campo Favela entrega os alimentos para as famílias em situação de vulnerabilidade

moradora recebe alimento Projeto Campo Favela

Em tempos de crise a solidariedade se faz presente. É o caso, por exemplo, do Projeto Campo Favela, idealizado por professores e alunos do Instituto de Ensino e Pesquisa de São Paulo (Insper).

A iniciativa surgiu para atender as duas pontas da cadeia de alimentos que mais foram impactadas pela pandemia da Covid-19. Por um lado, o pequeno agricultor e, por outro, as famílias de baixa renda e vulnerabilidade social.

Nesse sentido, a agricultura familiar foi bastante impactada com o fechamento dos bares e restaurantes e, ainda, com a suspensão da merenda escolar devido a paralisação das aulas. A estimativa é que a demanda foi reduzida em 80% neste período.

Da mesma forma, moradores da periferia da grande São Paulo, pois além das dificuldades que já enfrentam, muitos ficaram desempregados com o isolamento social.

Projeto Campo Favela conecta os elos frágeis da cadeia de alimentos

Nesse sentido, o Projeto Campo Favela une essas duas pontas, trazendo renda para os pequenos agricultores e alimentos de qualidade, por um preço acessível, para as famílias de baixa renda. O modelo de negócio sustentável será importante pós-pandemia.

Entenda como funciona:

1) Verba: projeto recebe doações de pessoas físicas e empresas para a compra de alimentos e logística de entrega;
2) Compra: alimentos são comprados de pequenos produtores rurais que não estão conseguindo escoar a produção;
3) Logística: os produtos são retirados da agricultura familiar e levados para as famílias em vulnerabilidade nas periferias de grande São Paulo;
4) Distribuição: os kits montados são entregues as Ongs e cozinhas comunitárias que distribuem os alimentos para quem precisa;
5) Movimentação: renda da venda dos kits é usada para as atividades locais.

Resultado
Por fim, como resultado, os números mostram que a solidariedade falou mais alto. Até julho, foram distribuídos 367,2 mil quilos de alimentos. O total arrecadado foi R$ 1,6 milhão. Até agora, foram beneficiadas 29,2 mil famílias em vulnerabilidade e 1.350 famílias de agricultores.

Pequenos produtores de banana de Sete Barras (SP) participam do projeto

Na região de Registro, no interior de São Paulo, a banana é a principal cultura cultivada. De acordo com Marcelo, produtor de banana e cooperado da Cooperativa da Agricultura Familiar de Sete Barras (Coopafasb), o Projeto Campo Favela trouxe um auxílio para os bananicultores. “A ideia é encurtar a cadeia produtiva com o consumidor final, disse.”

Você também pode ajudar

Por fim, Para contribuir, é só clicar aqui para fazer a sua doação, seja financeira, alimentos, produtos ou objetos.

Notícias Relacionadas:

Preço da batata sobe

Falta de chuva faz preço da batata subir 76% em outubro

Cepea/Esalq prevê manutenção da valorização dos preços nos próximos meses devido ao “adiantamento da colheita” e baixo volume de chuva

Família Nação Agro explora mercado de cogumelos, apicultura e turismo rural

Durante a semana, projeto do SENAR-SP visitou os municípios de Sorocaba e Ubatuba

Preços da cenoura aumentaram

Calor afeta preços de frutas e hortaliças vendidas no atacado

Boletim Prohort, da Conab, mostra movimento dos preços em setembro e tendências para outubro