Consumidor prefere produto com valor agregado e demanda cresce

Cliente se mostra mais aberto em pagar preços mais altos quando produto tem valor agregado, com identificação e origem de procedência

geleia organica com valor agregado
Definitivamente, o mercado de produtos com valor agregado cresceu nos últimos anos. Alimentos naturais, orgânicos e com identificação geográfica tem sido os preferidos na prateleira de um seleto grupo de consumidores.
Nesse sentido, agregar valor ao produto é um diferencial, seja de forma inovadora, criativa ou com qualidade superior, por exemplo.
Esse foi um dos assuntos discutidos no Dia de Campo, realizado em Taubaté, interior de São Paulo, promovido pelo Senar SP e Canal Rural.
De acordo com Haley Silva, diretor técnico da coordenadoria de desenvolvimento rural sustentável de Pindamonhagaba, o consumidor tem a percepção de aquele é um produto diferenciado e, por isso, se mostra disposto a pagar mais caro por ele.
“Se ele percebe que aquilo tem valor para ele, pois ele tem a necessidade daquele produto, que aquele produto oferece algo a mais e que ele precisa, ele vai comprar”, comentou.
Segundo Gilberto Carvalho, coordenador de cursos do Senar de São Paulo, palestras como essas que foram debatidas no Dia de Campo Seguro, são de extrema importância para o produtor rural, pois a informação faz a diferença.
A região de Taubaté é forte na pecuária leiteira. Entretanto, nos últimos anos, tem crescido também a bovinocultura de corte.
Segundo o atual presidente do sindicato rural de Taubaté, Sebastião Mauro Medeiros, esse é um novo momento para a região.
“Nós somos uma grande bacia leiteira, contudo, agora, está se desenvolvendo muito gado para a pecuária de corte. Nós temos aqui também agricultura, que por um tempo foi muito forte no Vale do Paraíba. Então, os produtores aqui estão precisando de incentivo e é isso que vamos fazer com essa nova diretoria do sindicato”, ressaltou.

Como ter produtos com valor agregado?

O registro de indicação geográfica (IG) é conferido a produtos ou serviços que são característicos do seu local de origem, o que lhes atribui reputação, valor intrínseco e identidade própria, além de os distinguir em relação aos seus similares disponíveis no mercado.

Neste sentido, esses produtos com indicação geográfica tem mais aceitação no mercado, pois o cliente tem a garantia do que está levando pra casa. No caso da identificação do local de origem, é uma forma também de valorizar a região produtora.

Notícias Relacionadas:

Terra marrom arada vista de cima

FAESP faz curso para declaração de ITR; prazo vai até 30/09

Curso técnico prepara produtores e sindicatos rurais para cumprirem as normas do processo de preenchimento da declaração de ITR

Mercado do café e turismo rural foram temas da Família Nação Agro

Nesta semana, Família Nação Agro desembarcou em Caconde e Itu para levar informação ao produtor rural e ouvir suas necessidades

Auditório no sindicato rural de Itu

Cursos do SENAR-SP preparam produtores de Itu para retomada do turismo

Itu (SP) é um destino popular para o turismo tradicional, assim como rural. Porém, com a pandemia, o setor tem sido prejudicado