Veja como funciona o registro de defensivos para pequenas culturas

Esta tem sido uma questão frequente entre produtores de hortifrúti; a Família Nação Agro tirou a dúvida com representante do Ministério da Agricultura

1416221124150

O prazo para implementar as regras da instrução normativa da rastreabilidade de frutas e hortaliças está chegando ao fim. Uma das maiores preocupações dos produtores é a falta de registro de defensivos para as chamadas pequenas culturas.

A equipe da caravana Família Nação Agro, em parceria com o Senar São Paulo, foi buscar respostas com o secretário de Defesa Agropecuária e Vegetal do Ministério da Agricultura, Luís Eduardo Rangel. “Culturas que não têm grande uso de defensivos acabam não sendo alvo do registro, por parte da própria indústria. A boa notícia é que já conseguimos estender para culturas, como a mandioca, 1.500 limites máximos de resíduos”, afirma.

Ele destaca que essas especificidades precisam ser trazidas ao conhecimento do ministério para que, no processo de construção da rastreabilidade, possam ser oferecidos registros das substâncias. “Assim os agricultores poderão fazer o cultivo com segurança jurídica”, finaliza.

Notícias Relacionadas:

Preço da batata sobe

Falta de chuva faz preço da batata subir 76% em outubro

Cepea/Esalq prevê manutenção da valorização dos preços nos próximos meses devido ao “adiantamento da colheita” e baixo volume de chuva

Família Nação Agro explora mercado de cogumelos, apicultura e turismo rural

Durante a semana, projeto do SENAR-SP visitou os municípios de Sorocaba e Ubatuba

Preços da cenoura aumentaram

Calor afeta preços de frutas e hortaliças vendidas no atacado

Boletim Prohort, da Conab, mostra movimento dos preços em setembro e tendências para outubro