Vegetais processados pode ser alternativa para evitar perdas em tempo de coronavírus

Legumes, verduras e frutas podem passar por alguns processos e ganhar mais de vida antes do consumo. A engenheira de alimentos Cibeli Firmino traz algumas dicas práticas

processados

Com as medidas de restrição adotadas para conter o avanço da atual pandemia, muitos produtores estão com mercadorias perecíveis, sem poder comercializá-las.

A Equipe da Família Nação Agro foi buscar orientações com a engenheira de alimentos e instrutora do SENAR SP, Cibele Firmino, que ministra cursos na área da Promoção Social para capacitar os produtores e trabalhadores rurais, onde adquirem o conhecimento das técnicas à fim de aproveitarem os excedentes de alimentos e evitar o desperdício e, na área da Formação Profissional Rural, capacita os produtores e trabalhadores rurais para ampliarem e aperfeiçoarem suas competências em face às necessidades e exigências das unidades produtivas e do mercado de trabalho.

Cibele falou sobre as várias técnicas que podem ser aplicadas no processamento de alimentos:
– Uma das técnicas de processamento é o “Branqueamento”, onde o alimento é imerso em água fervente e, em seguida, em água gelada. Esse choque térmico serve para inativar as enzimas que o decompõe e reduz o número de microrganismos.
– Outra técnica apresentada é o processamento mínimo de alimentos, onde o vegetal pode ou não passar por alterações físicas (cortado, ralado, picado) sendo obrigatoriamente higienizado e embalado de forma a manter o seu estado fresco, para preservar os nutrientes e garantir maior durabilidade.

Outras técnicas também podem ser aplicadas, como a desidratação, o resfriamento, o congelamento, o cozimento, a pasteurização, entre outras. Para que essas técnicas venham atingir a eficiência e eficácia desejadas, devem ser realizadas após a correta higienização dos alimentos, ressalta Cibele.

A instrutora também destacou a importância do planejamento e formalização de parcerias, como estratégias de escoamento e comercialização dos alimentos para minimizar as perdas em gerais, principalmente em tempos de Coronavírus.

– “Além do processamento é possível buscar aproximação com Associação de Produtores, indústria e oferecer o produto fresco para processamento industrial. A indústria de polpa de frutas pode ter escala neste momento e receber frutas frescas para processamento.”

Veja a Live completa:

 

O Senar SP oferece um curso gratuito sobre processamento de produtos vegetais e de origem animal.

Notícias Relacionadas:

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Secretaria de Agricultura orienta pecuaristas e desenvolve estudos para controle do carrapato com o uso de produto natural e controle biológico

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

De olho no mercado de café, cafeicultores brasileiros vêm investindo na produção de cafés especiais em busca de maior retorno financeiro

FAESP busca isenção de ICMS para leite

FAESP busca isenção de ICMS para leite

A saída do produto cru e pasteurizado, que era isenta, passará a ser tributada em 4,14%