Vegetais processados pode ser alternativa para evitar perdas em tempo de coronavírus

Legumes, verduras e frutas podem passar por alguns processos e ganhar mais de vida antes do consumo. A engenheira de alimentos Cibeli Firmino traz algumas dicas práticas

processados

Com as medidas de restrição adotadas para conter o avanço da atual pandemia, muitos produtores estão com mercadorias perecíveis, sem poder comercializá-las.

A Equipe da Família Nação Agro foi buscar orientações com a engenheira de alimentos e instrutora do SENAR SP, Cibele Firmino, que ministra cursos na área da Promoção Social para capacitar os produtores e trabalhadores rurais, onde adquirem o conhecimento das técnicas à fim de aproveitarem os excedentes de alimentos e evitar o desperdício e, na área da Formação Profissional Rural, capacita os produtores e trabalhadores rurais para ampliarem e aperfeiçoarem suas competências em face às necessidades e exigências das unidades produtivas e do mercado de trabalho.

Cibele falou sobre as várias técnicas que podem ser aplicadas no processamento de alimentos:
– Uma das técnicas de processamento é o “Branqueamento”, onde o alimento é imerso em água fervente e, em seguida, em água gelada. Esse choque térmico serve para inativar as enzimas que o decompõe e reduz o número de microrganismos.
– Outra técnica apresentada é o processamento mínimo de alimentos, onde o vegetal pode ou não passar por alterações físicas (cortado, ralado, picado) sendo obrigatoriamente higienizado e embalado de forma a manter o seu estado fresco, para preservar os nutrientes e garantir maior durabilidade.

Outras técnicas também podem ser aplicadas, como a desidratação, o resfriamento, o congelamento, o cozimento, a pasteurização, entre outras. Para que essas técnicas venham atingir a eficiência e eficácia desejadas, devem ser realizadas após a correta higienização dos alimentos, ressalta Cibele.

A instrutora também destacou a importância do planejamento e formalização de parcerias, como estratégias de escoamento e comercialização dos alimentos para minimizar as perdas em gerais, principalmente em tempos de Coronavírus.

– “Além do processamento é possível buscar aproximação com Associação de Produtores, indústria e oferecer o produto fresco para processamento industrial. A indústria de polpa de frutas pode ter escala neste momento e receber frutas frescas para processamento.”

Veja a Live completa:

 

O Senar SP oferece um curso gratuito sobre processamento de produtos vegetais e de origem animal.

Notícias Relacionadas:

Café premiado em Pardinho

Em Pardinho, produtores vendem saca de café premiado por R$ 1500

Cafés premiados foram arrematados pela 3 Corações com preços acima do valor de mercado

Mapa realiza fiscalização de rastreabilidade na Ceagesp

Ação teve como objetivo o fortalecer e ampliar conscientização sobre o cumprimento da rastreabilidade em produtos hortigranjeiros

Pousada ao pôr-do-sol com árvores é opção para turismo rural

Inovação ajuda na retomada de turismo rural em São Paulo

Demanda por turismo rural deve aumentar com a flexibilização das atividades no estado