Uma crise que gera oportunidades: Brasil começa exportar peixes para China

Boas notícias para os produtores da piscicultura do Brasil. China habilita 11 novas plantas frigoríficas brasileiras para exportação de peixe

Fonte: Pixaybay

Quando passar os efeitos negativos desse chacoalhão provocado pelas medidas contenção ao ao avanço do novo coronavírus, alguns setores do agro poderão ter recuperação mais rápida, entre eles o setor de peixes em cativeiro.  O governo chinês aprova as condições de abate, higiene e processamento de 11 frigoríficos brasileiros que trabalham com peixes.  As plantas habilitadas para exportação de tilápia  são Copacol- PR, Netuno-BA, Trutas NR-MG, Vitalmar-SC, Global Food-SP, C.Vale-PR, Zaltana-RO, Frigopesca-MT, Lakes Fisch-GO, Pescado du Vale-RO e Bem Bom Pescados-RO.

O Presidente da Peixe BR Francisco Medeiros , foi o entrevistado da Live Família Nação Agro, desta segunda-feira,  e comemorou essa conquista – “Há 3 anos que estamos trabalhando essa negociação com a China. Contamos com parceria do Ministério da Agricultura para que as plantas brasileiras fossem habilitadas para exportação. Agora começa outro processo, mais burocrático de ajuste dos protocolos (normas e regras para segurança e qualidade do alimento). Mas já é um passo importante para o setor.

A produção brasileira de peixes de cultivo, principalmente tilápia e tambaqui, no ano passado foi de aproximadamente 758.000 toneladas, produzidos por cerca de 300,000 criadores, de acordo com dados da Peixe BR, ainda de acordo com a entidade, o setor registrou crescimento de aproximadamente 5% no ano passado e tem potencial para crescer mais ainda.

Segundo a Associação Brasileira de Piscicultura, a Fundação Getúlio Vargas fez uma pesquisa e mapeou o Setor. “Temos três perfis de produtores: os integrados, nos mesmos moldes dos criadores de frangos e suínos, os verticalizados, que têm frigorífico próprio e comercializam a produção e os independentes. O estudo aponta que os independentes vão passar por mais dificuldades no futuro e por isso uma das recomendações é a união dos criadores em associações, cooperativas ou outra forma de organização para produção e comercialização em grupo.”- afirma Francisco.

Medeiros também comenta sobre a importância da integração e o cooperativismo, pois apresentam mais benéficos e acredita que o momento do Coronavírus possa ser a oportunidade para o crescimento do setor. “O problema não é ser pequeno, médio ou grande.. as  maiores empresa de piscicultura, são de integrados, o que faz a diferença é estarmos juntos”, conclui.

Veja a entrevista na íntegra:

Notícias Relacionadas:

La Niña demanda atenção dos produtores de frutíferas de clima temperado

Boletim da Seapdr traz prognóstico climático a recomendações fitotécnicas para vinhedos e pomares até dezembro

O universo dos fungos e a apicultura foram temas do Dia de Campo Seguro em Sorocaba

Empresário rural Iwao Akamatsu conta que 70 mil dos mais de 1,5 milhão de fungos foram estudados. Porém, há muito potencial a

Acordo entre Sindicafé-SP e Abics pretende estimular consumo de solúvel

Com a iniciativa inédita, produção de café solúvel estima um crescimento de 5% ao ano