Tipo mais grave de leishmaniose cresce mais de 50% no Brasil

Vacinação dos cães e controle populacional de mosquitos são as formas de prevenção da doença

Foto: Agência Brasil

O Brasil responde por 96% dos casos de leishmaniose nos países das Américas. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostram que são 400 mil novos casos por ano no país. O tipo mais grave da doença, conhecido como leishmaniose visceral, cresceu 53% nas últimas duas décadas, aponta um estudo da Universidade Federal de Minas Gerais.

Mas a Leishmaniose é uma doença típica de animais, causada por um protozoário e transmitida entre animais (cães e roedores). A transmissão para homem se dá quando o mosquito pica um animal doente e depois pica um ser humano, transmitindo-lhe a doença.

Além da redução da população de mosquitos, a grande ferramenta de prevenção é a vacinação dos cães contra a leishmaniose. Nos países Europeu, a vacina é utilizada desde 2011. Já no Brasil, a imunização é recente e, até então, o único método de controle era o sacrifício dos cães infectados.

Foto: Agência Brasil

Sintomas

Os primeiros sinais da Leishmaniose se dá por meio de úlceras na pele, lesões em alto relevo que se transformam em feridas com bordas elevadas e indolores. Já a leishmaniose visceral, considerada a forma mais grave da doença, caracteriza-se por febre irregular e prolongada, redução das plaquetas, glóbulos vermelhos, glóbulos brancos, aumento dos anticorpos, perda de peso e anemia.

Tratamento

Existem medicamentos para o tratamento da doença, mas quando tratada 90% dos casos de leishmaniose evoluem para óbito. Em animais a cura é mais complicada. Frequentemente quando o diagnóstico é feito em cães, a eutanásia é recomendada porque ele se torna um hospedeiro permanente da doença. Porém em 2016, foi liberado no Brasil um medicamento para cães que vem demonstrando bons resultados.

Notícias Relacionadas:

Curso de bordado do SENAR-SP atrai novos associados a sindicatos rurais

Curso de bordado do SENAR-SP atrai novos associados a sindicatos rurais

Disponível em todo o estado de São Paulo, curso propicia geração de renda e resgate cultural através da arte

Lavoura de algodão continua competitiva em algumas regiões de São Paulo

Lavoura de algodão continua competitiva em diversas regiões de São Paulo

Cultura ocupa cerca de 1,3 milhão de hectares em todo o Brasil

Curso de lã de ovelhas do SENAR-SP gera renda extra a produtoras rurais

Curso de lã de ovelhas do SENAR-SP gera renda extra a produtoras rurais

O curso abrange aspectos históricos da atividade, beneficiamento da matéria-prima e confecção de artefatos utilitários e decorativos