São Paulo registra recorde anual de vacinação contra brucelose, com 95,71% das fêmeas bovídeas vacinadas em 2020

Instituto Biológico aumentou em 20% sua produção de antígenos para diagnóstico de brucelose e tuberculose em animais

brucelose-recorde-vacina-sp

O estado de São Paulo registrou novo recorde anual de cobertura vacinal com 95,71% das fêmeas bovídeas (bovinas e bubalinas), com idade entre 3 a 8 meses, vacinadas contra a brucelose, superando o índice do ano anterior que foi de 95,27%. Os dados são do sistema informatizado Gedave (Gestão de Defesa Animal e Vegetal), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento vinculado à Coordenadoria de Defesa Agropecuária. Outra notícia importante é que mesmo na pandemia, o Instituto Biológico (IB-APTA), também da Secretaria, aumentou em 20% sua produção de imunobiológicos, antígenos usados para diagnóstico de brucelose e tuberculose em animais.

A vacinação contra a brucelose é obrigatória no Estado desde 2002 e é feita uma única vez na vida das fêmeas bovinas ou bubalinas, com idade entre 3 a 8 meses. A declaração junto ao sistema deve ser feita a cada semestre.

O índice de vacinação do segundo semestre de 2020, que inclui as fêmeas bovídeas vacinadas entre o mês de junho e novembro foi de 94,29%. Das 391.955 fêmeas bovinas com registro no sistema, 369.564 foram vacinadas e 22.391 bezerras deixaram de serem vacinadas. Os animais aptos a serem vacinados estavam distribuídos em 42.286 propriedades e destas, 38.152 (90,22%) declararam a vacinação.

“Mesmo diante da pandemia os índices de vacinação foram mantidos no Estado, pois os produtores rurais não deixaram de se preocupar com a sua criação e com as obrigatoriedades de proteção às doenças, principalmente com a brucelose, que é uma zoonose”, diz o médico-veterinário da Secretaria, Klaus Saldanha Hellwig, que junto à Defesa Agropecuária responde pelo PECEBT (Programa Estadual de Controle e Erradicação da Brucelose e da Tuberculose).

Sobre as 22.391 bezerras que deixaram de receber a vacina até os 8 meses de idade, o veterinário explica que os proprietários precisam regularizar a situação junto ao serviço oficial de defesa agropecuária para poder movimentar normalmente seus animais. “O proprietário deve procurar um médico-veterinário de sua confiança para vacinar as fêmeas com mais de 8 meses de idade com a vacina RB-51 e fornecer o atestado de vacinação que deverá ser apresentando em uma unidade da Coordenadoria de Defesa Agropecuária”, diz Hellwig.

Por ser uma vacina viva, que pode infectar o manipulador a vacinação deve ser feita por um profissional médico-veterinário. A relação dos profissionais cadastrados para realizar a vacinação em diversos municípios do Estado de São Paulo está disponível no site da Coordenadoria em https://www.defesa.agricultura.sp.gov.br/credenciados/

IB aumenta em 20% produção de imunobiológicos

Mesmo em um momento difícil, de isolamento social imposto pela pandemia do novo coronavírus, o Instituto Biológico continuou aumentando a produção e disponibilizando insumos estratégicos para o setor de produção dos agronegócios.

É o caso da produção de imunobiológicos, antígenos utilizados para diagnóstico de brucelose e tuberculose em animais. Em 2020, o Instituto Biológico produziu 5.484.430 doses de imunobiológicos, um aumento de 20% em relação a produção de 2019. O IB é a única instituição brasileira autorizada a produzir este insumo no Brasil.

“O recorde na vacinação de brucelose e no uso de antígenos para o diagnóstico de doenças importantes mostra que o produtor e o setor estão atentos e que não se descuidaram durante a pandemia”, afirma o médico-veterinário do IB, Ricardo Spacagna Jordão.

Ele explica que a diferença entre os imunobiológicos usados para diagnósticos e a vacina está em que para diagnóstico é usado um produto com bactéria morta e a vacina, no caso da brucelose, com bactéria viva.

O IB também trabalha para disponibilizar os frascos de imunobiológicos para diagnóstico da brucelose com prazo de validade maior, de 18 meses, seis meses a mais do que é encontrado hoje no mercado. “Com isso, atenderemos uma demanda importante para o setor de produção, que há bastante tempo nos pede um prazo maior de validade e frascos com menos doses para evitar desperdício”, explica. Em 2020, o IB disponibilizou os antígenos para diagnóstico de tuberculose com o dobro do prazo de validade usado até então.

O aumento na produção dos produtos e as melhorias da qualidade foram possíveis graças a investimentos no Laboratório de Imunobiológico do Instituto, localizado em São Paulo, Capital. “Nos últimos anos, tivemos grandes investimentos da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) no Laboratório, o que permitiu melhorarmos o processo e disponibilizarmos melhores produtos para o setor”, diz Jordão.

Dados regionais de vacinação de brucelose em São Paulo

Na relação abaixo estão o quantitativo de fêmeas bovídeas com idade entre 3 a 8 meses existentes no segundo semestre de 2020; o número de animais vacinados; e o índice de imunização em cada regional de Defesa Agropecuária (EDA).

EDA de Andradina – 15.937 – 15.920 – 99,89 %
EDA de Araçatuba – 13.067 – 12.966 – 99,23 %
EDA de Araraquara – 5.172 – 4.917 – 95,07 %
EDA de Assis – 7.577 – 7.401 – 97,68 %
EDA de Avaré – 9.094 – 8.572 – 94,26 %
EDA de Barretos – 3.642 – 3.212 – 88,19 %
EDA de Bauru – 12.475 – 11.607 – 93,04 %
EDA de Botucatu – 11.092 – 9.953 – 89,73 %
EDA de Bragança Paulista – 9.118 – 7.341 – 80,51 %
EDA de Campinas – 5.178 – 4.194 – 81,00 %
EDA de Catanduva – 2.899 – 2.831 – 97,65 %
EDA de Dracena – 15.095 – 14.925 – 98,87 %
EDA de Fernandópolis – 8.269 – 8.259 – 99,88 %
EDA de Franca – 6.748 – 4.960 – 73,50 %
EDA de General Salgado – 14.945 – 14.649 – 98,02 %
EDA de Guaratinguetá – 14.117 – 14.108 – 99,94 %
EDA de Itapetininga – 11.623 – 10.569 – 90,93%
EDA de Itapeva – 8.634 – 6.964 – 80,66 %
EDA de Jaboticabal – 2.468 – 2.068 – 83,79 %
EDA de Jales – 15.525 – 15.459 – 99,57 %
EDA de Jaú – 4.023 – 3.849 – 95,67 %
EDA de Limeira – 5.162 – 5.062 – 98,06 %
EDA de Lins – 14.123 – 13.682 – 96,88 %
EDA de Marília – 15.875 – 15.784 – 99,43 %
EDA de Mogi das Cruzes – 984 – 792 – 80,49 %
EDA de Mogi-Mirim – 3.505 – 3.085 – 88,02 %
EDA de Orlândia – 2.466 – 1.950 – 79,08 %
EDA de Ourinhos – 10.539 – 10.380 – 98,49 %
EDA de Pindamonhangaba – 16.390 – 15.376 – 93,81 %
EDA de Piracicaba – 6.450 – 6.008 – 93,15 %
EDA de Presidente Prudente – 27.954 – 25.861 – 92,51 %
EDA de Presidente Venceslau – 30.249 – 28.982 – 95,81 %
EDA de Registro – 4.911 – 4.585 – 93,36 %
EDA de Ribeirão Preto – 3.850 – 3.450 – 89,61 %
EDA de São João da Boa Vista – 11.811 – 11.653 – 98,66 %
EDA de São José do Rio Preto – 13.112 – 11.681 – 89,09 %
EDA de São Paulo – 191 – 165 – 86,39 %
EDA de Sorocaba – 6.505 – 5.542 – 85,20 %
EDA de Tupã – 13.148 – 12.772 – 97,14 %
EDA de Votuporanga – 8.032 – 8.030 – 99,98 %
TOTAL DO ESTADO – 391.955 – 369.564 – 94,29 %

Brucelose – É uma zoonose (doença que acomete os animais e o homem) infecto-contagiosa causada pela bactéria Brucella abortus. Nos bovinos pode causar aborto; nascimento de bezerros fracos; retenção de placenta; repetição de cio e descargas uterinas com grande eliminação da bactéria, além de inflamação nos testículos.

Fonte: Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo

Notícias Relacionadas:

Semana será marcada por chuvas no sul de São Paulo

Semana terá chuvas no sul de São Paulo

Previsão aponta tempo seco e nublado no centro e norte do estado

3 lições que o SENAR-SP dá a jovens empreendedores rurais

3 lições que o SENAR-SP dá a jovens empreendedores rurais

Programa oferece conhecimentos sobre educação socioambiental, convivência profissional e negócios

Sindicato rural de Cruzeiro celebra capacitação de produtores para turismo rural

Sindicato rural de Cruzeiro celebra capacitação de produtores para turismo rural

Caravana no município paulista ofereceu dicas sobre marketing no turismo rural e soluções digitais