‘Sem convênio 100, custos de produção nas cadeias produtivas podem subir 7%’ 

O benefício fiscal que produtores rurais adquiriram sobre os insumos agrícolas pode estar em risco. Isso porque nesta quinta, 12, e sexta-feira, 13, em Curitiba (PR), os secretários de Fazenda dos estados vão decidir se o Convênio 100 será renovado ou não. Diante da medida, entidades que representam o agronegócio estão tentando sensibilizar governos estaduais…

dinheiro

O benefício fiscal que produtores rurais adquiriram sobre os insumos agrícolas pode estar em risco. Isso porque nesta quinta, 12, e sexta-feira, 13, em Curitiba (PR), os secretários de Fazenda dos estados vão decidir se o Convênio 100 será renovado ou não.

Diante da medida, entidades que representam o agronegócio estão tentando sensibilizar governos estaduais para renovar o convênio. A Federação da Agricultura e Pecuária de São Paulo enviou um ofício ao governador João Dória e ao secretário da Fazenda do estado Henrique Meirelles pedindo a manutenção do benefício fiscal

“Ainda não recebemos um retorno do governo,  mas há uma mobilização muito grande. A própria Frente Parlamentar do Agronegócio Paulista, que fez um evento na Assembleia Legislativa do Estados (Alesp), nesta na segunda, onde alguns deputados se comprometeram em analisar com muita cautela o tema. O esforço está sendo muito grande para que não haja empecilhos desses estados, e temos esperança que consigamos renovar esse convênio”, afirmou Cláudio Brisolara, chefe do departamento econômico da Federação da Agricultura e Pecuária do estado de São Paulo

Impacto no setor

Brisolara explica ainda, que caso o convênio não seja aprovado novamente, os insumos agropecuários, até então isentos da cobrança de ICMS de 18%, passarão a sofrer o reajustes na conta final.

“Basicamente os insumos agropecuários estão insetos as operações dentro do estado. O imposto no estado de São Paulo de ICMS [Circulação de Mercadorias e Serviços] a carga média é de 18%, ou seja se o convênio não for renovado, os insumos agropecuários passaram a ser tributados em 18%”, diz.

“Levando em conta que cada determinada cultura tenha no seu custo de produção esses insumos, que representam 40% no total de custo de produção, se houver esse aumento, isso vai elevar em até 7% no cálculo dos custos de produção em cada cadeia produtiva, um aumento considerável e que pode atrapalhar o setor, principalmente a competitividade”, enfatiza.

Entenda 

O convênio retira o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) de insumos agrícolas dentro dos estados e dá desconto quando a movimentação é interestadual. Se os secretários decidirem pela não renovação do benefício, a cobrança do imposto começará a valer a partir de 30 de abril do próximo ano.

Para o presidente da Frente Parlamentar do Agronegócio Paulista, deputado estadual Itamar Borges (MDB), o impacto da não renovação do Convênio 100, pode causar um grande impacto no custo operacional da produção agrícola, prejudicando toda a cadeia produtiva, além de reduzir a capacidade de investimento do setor agropecuário.

Já a CNA ressalta que fim da medida implicaria em altas de 15% nos custos de produção da pecuária e de 12% na agricultura. “Os produtores rurais certamente não conseguirão assimilar esta alta no próximo ciclo produtivo. E o fim do convênio seria péssimo em um momento que conseguimos fechar acordos comerciais e outros estão em negociação”, alertou o coordenador do Núcleo Econômico da CNA, Renato Conchon.

“Criar empecilhos ao uso de insumos que favorecem o processo produtivo é atuar na contramão do desenvolvimento econômico do país e na sustentabilidade dos sistemas de produção”, completou Borges.

Notícias Relacionadas:

Tudo que você precisa saber sobre o Selo ARTE

Segundo o Ministério da Agricultura, mais de 200 mil produtores de queijo foram beneficiados até o momento

Grãos de café espalhados em mesa com xícara branca cheia de grãos

Mídias sociais aproximam cafeicultor de consumidor, aponta Sebrae

Gerente do Sebrae, Marcos Kremer falou sobre mudanças no mercado do café e como produtores trabalham no fortalecimento da cadeia

Três carreiras de grãos de café de cafeicultor de Caconde

Clima e mercado preocupam cafeicultor em Caconde

Presidente do sindicato rural de Caconde, Ademar Pereira, falou sobre como organização dos produtores tem fortalecido mercado do café