Saiba como produzir cogumelo shitake em blocos

O custo de produção do quilo é de aproximadamente R$ 9. Enquanto isso, o mercado paga até R$ 28 pela mesma quantidade

VT-RN-COMO-PRODUZIR-COGUMELOS_10
cogumelo shitake produzido em bloco de madeira

Foto: Canal Rural

O cultivo de cogumelo shitake exige bastante cuidado e dedicação. Para o bom desenvolvimento, é recomendável um ambiente climatizado, com temperatura e luz controlados. Mas a atividade é bastante rentável: o mercado paga entre R$ 25 e R$ 28 por quilo.

O produtor Iwao Akamatsu trabalha com a variedade há 23 anos. Ele desenvolveu um sistema de cultivo em blocos, considerado uma evolução do modelo convencional que usa toras de madeira para semear o fungo.

Segundo Akamatsu, foi necessário buscar conhecimento fora do Brasil. “Fiquei três meses no Instituto de Pesquisas de Nagano, no Japão. Visitei produtores, universidades, centros de pesquisa, tudo relacionado ao cogumelo; aí vi realmente como a tecnologia pode mudar essa atividade”, relembra.

Como funciona a técnica

  1. Uma plaina invertida faz o serviço de produzir a raspa da madeira de eucalipto, matéria-prima para o bloco;
  2. A maravalha é levada para um pátio onde é molhada;
  3. No misturador, é batida com serragem fina e farelo de cereais, ingredientes que vão alimentar o cogumelo;
  4. Depois de prensados, os blocos vão para a autoclave, um equipamento que trabalha com alta pressão e alta temperatura para matar os microorganismos que possam fazer mal ao cogumelo.

Investimento

Após 90 dias, o composto está pronto para ser vendido ao produtor, por R$ 4,50 a unidade. “O bloco fica em produção de quatro a seis meses. Depois, vira adubo. Aliás, se você quiser fazer uma cama para minhoca, é um excelente material”. conta. Cada bloco gera entre 500 e 700 gramas de cogumelo. Assim, o custo do quilo fica em torno de R$ 9.

Para começar o plantio de shitake, com toda a estrutura de câmara fria e instalações, o investimento é de, aproximadamente, R$ 200 mil. O governo do São Paulo oferece uma linha de crédito para esse tipo de atividade: o Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista (Feap), com juros de 3% ao ano e carência de até cinco anos para começar a pagar.

Pós-venda e expansão

O sistema deu tão certo que Akamatsu montou um laboratório para fazer o controle de qualidade e atender as necessidades dos produtores. “Quando um parceiro tem algum problema, como praga, por exemplo, o laboratório identifica e nós recomendamos o melhor cuidado”, explica.

A terceira função do investimento é pesquisa e desenvolvimento. “Testamos novas linhagens, cogumelos diferentes, matéria-prima diferente. Estamos fazendo sempre alguma pesquisa para aprendermos um pouco mais sobre a nossa atividade”.

Dos computadores para o campo

O Dágoras Kanemaru é um dos parceiros do Akamatsu. Ele trabalhava na área de informática e começou a produzir há pouco mais de um ano. “Visitava a produção de um amigo e achava legal. Como queria uma coisa própria, comecei com o shitake e estou muito feliz”, afirma. Atualmente, colhe cerca de uma tonelada por mês.

https://canalrural.uol.com.br/programas/informacao/rural-noticias/conheca-a-historia-de-pessoas-que-largaram-empregos-na-cidade-para-cultivar-shitake/

A caravana Família Nação Agro é uma parceria entre Canal Rural e Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de São Paulo (Senar-SP).

Notícias Relacionadas:

Preço da batata sobe

Falta de chuva faz preço da batata subir 76% em outubro

Cepea/Esalq prevê manutenção da valorização dos preços nos próximos meses devido ao “adiantamento da colheita” e baixo volume de chuva

Família Nação Agro explora mercado de cogumelos, apicultura e turismo rural

Durante a semana, projeto do SENAR-SP visitou os municípios de Sorocaba e Ubatuba

Preços da cenoura aumentaram

Calor afeta preços de frutas e hortaliças vendidas no atacado

Boletim Prohort, da Conab, mostra movimento dos preços em setembro e tendências para outubro