Saiba como produzir cogumelo shitake em blocos

O custo de produção do quilo é de aproximadamente R$ 9. Enquanto isso, o mercado paga até R$ 28 pela mesma quantidade

VT-RN-COMO-PRODUZIR-COGUMELOS_10
cogumelo shitake produzido em bloco de madeira

Foto: Canal Rural

O cultivo de cogumelo shitake exige bastante cuidado e dedicação. Para o bom desenvolvimento, é recomendável um ambiente climatizado, com temperatura e luz controlados. Mas a atividade é bastante rentável: o mercado paga entre R$ 25 e R$ 28 por quilo.

O produtor Iwao Akamatsu trabalha com a variedade há 23 anos. Ele desenvolveu um sistema de cultivo em blocos, considerado uma evolução do modelo convencional que usa toras de madeira para semear o fungo.

Segundo Akamatsu, foi necessário buscar conhecimento fora do Brasil. “Fiquei três meses no Instituto de Pesquisas de Nagano, no Japão. Visitei produtores, universidades, centros de pesquisa, tudo relacionado ao cogumelo; aí vi realmente como a tecnologia pode mudar essa atividade”, relembra.

Como funciona a técnica

  1. Uma plaina invertida faz o serviço de produzir a raspa da madeira de eucalipto, matéria-prima para o bloco;
  2. A maravalha é levada para um pátio onde é molhada;
  3. No misturador, é batida com serragem fina e farelo de cereais, ingredientes que vão alimentar o cogumelo;
  4. Depois de prensados, os blocos vão para a autoclave, um equipamento que trabalha com alta pressão e alta temperatura para matar os microorganismos que possam fazer mal ao cogumelo.

Investimento

Após 90 dias, o composto está pronto para ser vendido ao produtor, por R$ 4,50 a unidade. “O bloco fica em produção de quatro a seis meses. Depois, vira adubo. Aliás, se você quiser fazer uma cama para minhoca, é um excelente material”. conta. Cada bloco gera entre 500 e 700 gramas de cogumelo. Assim, o custo do quilo fica em torno de R$ 9.

Para começar o plantio de shitake, com toda a estrutura de câmara fria e instalações, o investimento é de, aproximadamente, R$ 200 mil. O governo do São Paulo oferece uma linha de crédito para esse tipo de atividade: o Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista (Feap), com juros de 3% ao ano e carência de até cinco anos para começar a pagar.

Pós-venda e expansão

O sistema deu tão certo que Akamatsu montou um laboratório para fazer o controle de qualidade e atender as necessidades dos produtores. “Quando um parceiro tem algum problema, como praga, por exemplo, o laboratório identifica e nós recomendamos o melhor cuidado”, explica.

A terceira função do investimento é pesquisa e desenvolvimento. “Testamos novas linhagens, cogumelos diferentes, matéria-prima diferente. Estamos fazendo sempre alguma pesquisa para aprendermos um pouco mais sobre a nossa atividade”.

Dos computadores para o campo

O Dágoras Kanemaru é um dos parceiros do Akamatsu. Ele trabalhava na área de informática e começou a produzir há pouco mais de um ano. “Visitava a produção de um amigo e achava legal. Como queria uma coisa própria, comecei com o shitake e estou muito feliz”, afirma. Atualmente, colhe cerca de uma tonelada por mês.

https://canalrural.uol.com.br/programas/informacao/rural-noticias/conheca-a-historia-de-pessoas-que-largaram-empregos-na-cidade-para-cultivar-shitake/

A caravana Família Nação Agro é uma parceria entre Canal Rural e Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de São Paulo (Senar-SP).

Notícias Relacionadas:

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Secretaria de Agricultura orienta pecuaristas e desenvolve estudos para controle do carrapato com o uso de produto natural e controle biológico

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

De olho no mercado de café, cafeicultores brasileiros vêm investindo na produção de cafés especiais em busca de maior retorno financeiro

FAESP busca isenção de ICMS para leite

FAESP busca isenção de ICMS para leite

A saída do produto cru e pasteurizado, que era isenta, passará a ser tributada em 4,14%