Reduzir contribuição do Sistema S não é saída para covid-19, afirma presidente do Sebrae-SP

O presidente Jair Bolsonaro, publicou em suas redes sociais medidas aprovadas para o combate ao Coronavírus, uma das ações é a redução de 50% das contribuições ao Sistema S, o impacto é de R$ 2,2 bilhões. 

entrevistaa Tirso

Em entrevista ao Nação Agro Entrevista deste domingo, 22, o presidente do Sebrae-SP, Tirso Meirelles, reconhece as medidas sendo necessárias, porém não concorda com a falta de planejamento. “O que eu chamo atenção, que um sistema tão bem organizado que é o sistema S (Senar, Senac, Sebrae), que trabalha o crédito orientado, que trabalha o empreendedorismo, que trabalha a cadeia produtiva, que trabalha o ensino profissionalizante, que trabalha o ensino empreendedor… Não poderia ficar dessa forma retirando recursos sem uma programação específica.”

No estado de São Paulo mais de 4 milhões de microempresas individuais e micro e pequenas empresas, empregam 10 milhões de pessoas que contribuem de forma direta em 27% do Produto Interno Bruto, (PIB). As consequências da pandemia já anunciam fortes impactos em todos setores da economia, mas o pequeno produtor pode ter maiores consequências.

 Tirso criticou a atitude do ministro da economia Paulo Guedes,  lembrando da criação de um fundo voltado a campanhas eleitorais, em  dezembro de 2019, onde o Congresso Nacional aprovou o valor de R$ 2, 034 bilhões para as próximas  eleições municipais. O presidente do Senar sugere que o valor poderia ser usado no combate ao Covid-19. “Nós tivemos aí, um fundo bilionário liberado para fundo partidário. Quer fazer campanha que faça individualmente, agora com recurso público …Não é justo ter um corte dessa forma, mas nesse momento ele foi preventivo, estou aqui acompanhando, mas que daqui pra frente seja visualizado dessa forma a sociedade não pode se pecar.”

Diferente do que a proposta do ministério da economia possa parecer, a atitude pode piorar a crise econômica que a Covid-19 irá deixar. A responsabilidade em ajudar os pequenos produtores será maior e com isso será preciso investimentos para levar conhecimento e planos de negócios.  “ Nós temos um programa orçamentário anual que nós somos obrigados a cumprir, onde é feito um estudo. Nós temos o Tribunal de Contas da União que faz toda a operacionalização das nossas contas e visualiza todos os processos. Existe uma programação muito séria, não pode ser  simplesmente pegar o orçamento do governo e ir lá cortar o orçamento. Precisamos ver outras formas para fazer e não prejudicar a sociedade. descreveu Tirso em entrevista.

Confira a entrevista completa…

 

 

Notícias Relacionadas:

La Niña demanda atenção dos produtores de frutíferas de clima temperado

Boletim da Seapdr traz prognóstico climático a recomendações fitotécnicas para vinhedos e pomares até dezembro

O universo dos fungos e a apicultura foram temas do Dia de Campo Seguro em Sorocaba

Empresário rural Iwao Akamatsu conta que 70 mil dos mais de 1,5 milhão de fungos foram estudados. Porém, há muito potencial a

Acordo entre Sindicafé-SP e Abics pretende estimular consumo de solúvel

Com a iniciativa inédita, produção de café solúvel estima um crescimento de 5% ao ano