Redes solidárias: Incentivo ao comércio local garante a atividade no campo

Veja o que alguns municípios de São Paulo estão fazendo para driblar a quarentena do coronavírus

Campanha Agricultura SP

“O coronavírus mudou nossos hábitos, passamos a cuidar melhor da higiene pessoal, da nossa casa e dos locais por onde passamos. A máscara já é um item comum na vida do brasileiro, aliada às medidas de proteção e transmissão do vírus. Mesmo restaurantes e locais de alimentação estão trabalhando com entregas, no sistema delivery. A demanda caiu e, na base, no campo, onde nosso alimento é semeado, cultivado e colhido, é onde se sente o maior impacto, pois além da redução direta da venda, o produtor rural lida com produtos perecíveis, com as intempéries climáticas, sem meios de armazenamento, são produtos que requerem planejamento e tempo para serem colhidos. Esta condição traz um efeito cascata e o produtor rural se viu forçado a mudar a rotina da propriedade, a fim de adaptar-se e continuar fazendo o que sabe fazer”, afirma Hemerson Fernandes Calgaro, engenheiro agrônomo e assistente de planejamento da Secretaria de Agricultura e Abastecimento que atua na Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CDRS) Regional São Paulo.

Recentemente, um grupo de agricultores, artesãos, cuidadores e outros profissionais liberais de Peruíbe, município do litoral sul de São Paulo e da área de atuação da CDRS Regional São Paulo, organizaram a “Rede Solidária de Peruíbe – Construindo uma nova realidade”, a qual congrega as pessoas, produtores rurais e população urbana, ofertando seus produtos e serviços. O contato e o conhecimento do que está sendo oferecido ao consumidor é feito por meio digital, tanto por ligações telefônicas, aplicativos de mensagens (Telegram, WhatsApp, SMS) como por posts em redes sociais (Facebook, Instagram). A forma de entrega é combinada, da mesma forma que o pagamento, podendo ser em dinheiro, transferência bancária ou cartão.

Alguns dos agricultores familiares que compõe esta Rede são atendidos pelos técnicos da Casa da Agricultura de Peruíbe e/ou por outras Regionais da CDRS. Seus produtos são agroecológicos, produzidos de forma sustentável, e apresentam uma grande variedade: hortaliças, frutas, raízes, ovos, plantas alimentícias não convencionais (PANC), geleias, compotas, sucos, caldos, molho de tomate, homus de sementes de girassol, granola, doces, cocada, salgados (tortas), sopas, tofu, cuscuz, hambúrgueres e quibe veganos, bolos, pães de fermentação natural, frutos do mar, chás diversos, kombuchá, mel, própolis, pólen, cachaça de banana, nhoque de biomassa, requeijão e iogurte orgânicos, além de muito outros produtos.

A produtora de mel, ervas medicinais e frutas cultivadas em sistema agroecológico, Elizabeth Matos é uma delas. A Rede Solidária se estende até onde Elizabeth tem sua área de cultivo e criação de abelhas com e sem ferrão, o município de Miracatu, já no Vale do Ribeira. Elizabeth conta que a Rede Solidária de Peruíbe existe desde 2015, mas foi agora com a pandemia que ela se abriu para abrigar outros produtores e está se consolidando como a alternativa mais viável para todos. “Na verdade, esse é o intuito da Economia Solidária, ela não tem fronteiras municipais. Com esse fortalecimento, de um grupo de oito produtoras, hoje já somos 14, somando outras de Cariri, Pedro de Toledo e Miracatu. Também fazemos parte da ONG Conexão Mata Atlântica que tem, ao longo do tempo, aglutinado os produtores rurais, e da Associação de Mulheres da Economia Solidária (Amesol) que realiza feiras na capital congregando produtoras de várias localidades. Com esse sistema tenho conseguido fazer entregas em Santos, é um trabalho de “formiga”, um leva para outro, que leva para outro e chega lá na ponta, no consumidor final”, conta Elizabeth.

A produtora acredita que este sistema de uma rede de entregas ao consumidor não tem volta. “Foi eminente a necessidade de trabalharmos dessa forma”, argumenta a produtora que disse estar gostando, pois antes perdia muito tempo participando de diversas feiras e agora, fica mais tempo em sua propriedade, dando mais atenção à produção e as vendas, que ao invés de diminuírem, aumentaram. “Nós adquirimos produtos uma das outras também, indicamos novos clientes e isso faz com que a economia gire, todos saem ganhando e esse é o espírito da Economia Solidária”, garante a produtora.

“Nas últimas semanas, o que se tem observado após esse movimento é o incentivo ao consumo de alimentos de procedência local, produtos artesanais agroecológicos e a prática de preço justo. Isso nada mais é do que o tripé da Economia Solidária: uma forma de economia que beneficia os elos locais, numa relação “ganha-ganha”. No caso da Grande São Paulo e dos municípios da Baixada Santista, quase todos da área de abrangência da CDRS Regional São Paulo, é possível, ainda, inserir nesse cenário as comunidades tradicionais e as hortas urbanas, várias com certificação participativa”, confirma o técnico.

Iniciativas como essa de Peruíbe e da Rede Solidária da Baixada Santista, que tem recebido nos últimos anos o apoio do extensionista da CDRS Newton Rodrigues, um defensor da Economia Solidária como forma de atuação, estão sendo implementadas no Estado de São Paulo, no Brasil e no mundo e não somente no ramo de alimentos, mas de serviços e outros produtos, tendo como grande diferencial do chamado comércio convencional, a forma de apresentação, de fechamento do pedido ou compra, a entrega, o pagamento e, principalmente, o incentivo ao consumo de bens e serviços locais. “Trata-se de uma forma de estreitar a relação entre produtor e consumidor, enaltecendo ou criando relações de confiança, respeito e amizade”, afirma Calgaro.

Nos municípios de Mongaguá e Cajamar, com o auxílio dos conselhos agrícolas, dos técnicos das Casas da Agricultura e da CDRS Regional São Paulo, que estão em regime de teletrabalho, e da parceria das prefeituras locais estão sendo construídas novas “Redes” como forma de dar continuidade à cadeia produtiva da alimentação, – que no caso é protagonizada pela agricultura familiar, para que esta forma de trabalhar não seja operacionalizada só nessa época de pandemia, mas que este tipo de organização possa permanecer e crescer.

Com Informações, Assessoria de Comunicação
Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo

Notícias Relacionadas:

Setor de carnes realiza carreata contra aumento de ICMS em São Paulo

Setor de carnes realiza carreata contra aumento de ICMS em São Paulo

Ato contra medida do governo paulista contou com cerca de 1200 caminhões e 1500 pessoas envolvidas, segundo os organizadores

Estufa garante produção de hortaliças em períodos de chuvas

Estufa garante produção de hortaliças em períodos de chuvas

Apesar do alto custo, sistema protegido permite controle de temperatura e umidade e diminui risco de doenças

Grupo Interministerial irá elaborar Plano Nacional de Fertilizantes

Grupo Interministerial irá elaborar Plano Nacional de Fertilizantes

O plano tem o objetivo de aumentar a produção e oferta de fertilizantes nacionais, além de reduzir a dependência dos produtos importados