Sebrae oferece subsídio a produtores de orgânicos

O recurso pode ser usado na mudança do manejo convencional para o orgânico, durante a certificação ou na renovação do certificado

Fonte: Pixabay

Os custos e a demora na certificação estão entre os principais problemas encontrados pelos produtores de orgânicos. A conclusão é de uma pesquisa realizada pelo Sebrae. 57% deles reclamam de dificuldade em encontrar insumos apropriados a esse tipo de produção. 48% apontam como principal problema a comercialização dos produtos. Na sequência aparecem a assistência técnica (39%), logística (38%) e as despesas com o certificado (34%).

O estudo mostrou ainda o quanto o setor está nas mãos de pequenos produtores. 41% deles tiveram um faturamento médio anual de até 60 mil reais. O que muitos não sabem é que existe um programa, o Sebraetec, que facilita a mudança do manejo convencional para o orgânico. O analista do Sebrae Nacional, Luiz Rabelatto, explica que, apesar de ser um programa nacional, as regras variam em cada estado: “Em alguns estados o subsídio é permanente, em outros via edital em determinadas épocas do ano. A orientação é que o produtor procure primeiro a unidade do Sebrae mais próxima”. O valor do subsídio varia entre 50 e 70% dos custos, de acordo com o estado.

O auxílio pode ser usado em uma das etapas de certificação. O produtor escolhe se quer usar na etapa de adequação da propriedade para o manejo orgânico, durante a certificação ou quando precisar renovar o certificado. Podem participar do programa produtores que tenham perfil de micro ou pequenos empreendedores, com faturamento anual bruto de até R$ 4,8 milhões, ou que façam parte da agricultura familiar. Nesse caso, é necessário ter a Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP). A emissão da DAP é gratuita e você pode conhecer os órgãos emissores clicando aqui.

O Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos, responsável por emitir o certificado do produto, conta hoje com 19 mil cadastros. A dica para quem quiser migrar do manejo convencional para o orgânico é pensar no contexto da produção. “O importante é que o produtor não olhe só pra questão econômica, e tenha uma visão de saúde própria, saúde do consumidor, responsabilidade socioambiental, e também uma busca pelo diferencial econômico. Mas é importante que ele tenha essa consciência que o consumidor também está buscando isso, não só o produto pelo produto, mas sim que responda a um sistema novo de produção que faça bem ao ambiente e à saúde de todos”, conclui Rabelatto.

Pra saber mais sobre o Sebraetec, clique aqui.

Notícias Relacionadas:

La Niña demanda atenção dos produtores de frutíferas de clima temperado

Boletim da Seapdr traz prognóstico climático a recomendações fitotécnicas para vinhedos e pomares até dezembro

O universo dos fungos e a apicultura foram temas do Dia de Campo Seguro em Sorocaba

Empresário rural Iwao Akamatsu conta que 70 mil dos mais de 1,5 milhão de fungos foram estudados. Porém, há muito potencial a

Acordo entre Sindicafé-SP e Abics pretende estimular consumo de solúvel

Com a iniciativa inédita, produção de café solúvel estima um crescimento de 5% ao ano