Produtos da agricultura familiar vão ser valorizados nos supermercados

Um selo de identificação na gôndola pretende incentivar a venda de produtos do pequeno e médio produtor rural

Foto: Pixa Bay

Dentro de alguns meses os produtos da agricultura familiar terão uma identificação especial na gôndola dos supermercados. Por meio de um acordo com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras), o Ministério da Agricultura quer colocar esse plano em prática a fim de valorizar e incentivar a venda de produtos do pequeno e médio produtor rural.

A proposta é criar um selo da agricultura familiar, que permitirá o consumidor identificar facilmente a presença do produto. O projeto piloto começará no estado de São Paulo, em uma rede de supermercados do município de Presidente Prudente.

Para isso, o Ministério da Agricultura fará a capacitação das cooperativas, que serão fornecedoras, e os supermercados, por sua vez, farão a aquisição e identificação desses produtos por meio do selo da agricultura familiar. “A iniciativa vai valorizar o trabalho do pequeno e médio produtor e representará um diferencial para consumidores e profissionais da gastronomia, que demandam produtos que obedecem às boas práticas agrícolas de produção”, disse o secretário de Agricultura Familiar e Cooperativismo do ministério, Fernando Schwanke

Hoje os supermercados são responsáveis por 80% dos alimentos consumidos pela população brasileira. Só no ano passado, o setor supermercadista brasileiro registrou faturamento de R$ 355,7 bilhões, o que representa 5,2% do PIB.

Notícias Relacionadas:

Taxa Selic baixa

Baixa na Selic pode favorecer acesso de produtores a empréstimos subvencionados

Faesp defende crédito competitivo no mercado financeiro e desburocratização na concessão

Turismo rural

Família Nação Agro traz novos debates sobre turismo rural e doma racional

Nesta semana, iniciativa do Sistema FAESP/SENAR-SP esteve nos municípios de Itobi e Nuporanga

Produtores buscam capacitação para diversificar turismo rural em Ubatuba

Em Dia de Campo Seguro, agricultores revelaram interesse em cursos de profissionalização em artesanato e gastronomia