Preço do tomate passa de R$ 5 o quilo no atacado de São Paulo

A cotação é a maior da série histórica da Conab, que ainda registra alta nos preços do mamão e laranja e queda nas cotações da maçã e melancia

Foto Pixa:bay

Foto Pixa:bay

Os preços de comercialização do tomate nos principais mercados atacadistas do país nunca estiveram tão altos. É o que aponta o 4º Boletim Prohort, divulgado nesta terça-feira (16), pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Na primeira quinzena de abril, o produto registrou o maior preço praticado desde o início da série histórica em março de 2017. Em São Paulo, por exemplo, o preço do tomate passa de R$ 5,00 o quilo.

Esse é o segundo mês consecutivo que os preços do tomate apresentaram alta em todos os mercados atacadistas analisados. Em março, a maior alta foi registrada na Central de Abastecimento de Goiânia (GO), que teve os preços 90% superiores. Nos outros mercados estudados, os acréscimos de cotação também foram significativos, variando na casa de 40% em Fortaleza e no Rio de Janeiro, e acima de 30% em Vitória, São Paulo e Belo Horizonte.

Foto: PixaBay

Esta performance de preço é consequência da baixa oferta do produto no mercado. A oferta em fevereiro e março esteve 20% menor que em janeiro deste ano. Além disso, as chuvas intensas e o calor fazem com que o fruto apresente manchas e perecibilidade acentuada. Ainda segundo o relatório, no Ceasa de Goiânia foi relatado que a baixa oferta também está relacionada com a redução na área plantada com tomate. Isso porque, em 2018 os baixos preços pagos pelo produto deixaram os produtores descapitalizados para investir nas áreas este ano.

De acordo com o Boletim, outra hortaliça de destaque foi a batata. Mas, apesar da ascensão de preços desde outubro de 2018, esse movimento de alta tem perdido força.  Em relação às frutas, a menor oferta de banana, laranja e mamão também influenciaram na alta dos preços. Apenas maçã e melancia tiveram desempenho contrário, com queda nas Ceasas pesquisadas. No caso da melancia, o menor preço ocorreu por conta da grande oferta fornecida pelo município de Teixeira de Freitas (BA), com a entrada da safrinha paulista e devido à queda da demanda pelo clima mais ameno nas regiões consumidoras.

O levantamento é feito mensalmente pelo Programa Brasileiro de Modernização do Mercado Hortigranjeiro (Prohort) da Conab, a partir de informações fornecidas pelos grandes mercados atacadistas do país, nos estados de SP, MG, RJ, ES, PR, GO, PE e CE.

 

 

 

Notícias Relacionadas:

Curso de bordado do SENAR-SP atrai novos associados a sindicatos rurais

Curso de bordado do SENAR-SP atrai novos associados a sindicatos rurais

Disponível em todo o estado de São Paulo, curso propicia geração de renda e resgate cultural através da arte

Lavoura de algodão continua competitiva em algumas regiões de São Paulo

Lavoura de algodão continua competitiva em diversas regiões de São Paulo

Cultura ocupa cerca de 1,3 milhão de hectares em todo o Brasil

Curso de lã de ovelhas do SENAR-SP gera renda extra a produtoras rurais

Curso de lã de ovelhas do SENAR-SP gera renda extra a produtoras rurais

O curso abrange aspectos históricos da atividade, beneficiamento da matéria-prima e confecção de artefatos utilitários e decorativos