Preço do arroz: o que motivou aumentos e impactos ao produtor

Alta do dólar, período de entressafra e aumento da demanda são fatores que subiram preço do arroz, mas o cenário é positivo ao produtor

Grãos brancos de arroz espalhados em bandeja de madeira marrom

O preço do arroz nos mercados deu o que falar nesta semana. Mas o que realmente impulsionou o valor do alimento essencial no prato dos brasileiros?

Pacotes de 5k do tipo 1 foram encontrados sendo vendidos entre R$ 23 e R$ 30 no varejo. Variedades nobres ficaram ainda mais caras.

De acordo com levantamento do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), o preço do arroz sofreu elevação de 120% nos últimos 12 meses.

Os motivos disso são a alta do dólar, período de entressafra e aumento da demanda com a retomada de atividades depois do início da pandemia.

Vale lembrar que o arroz é um dos produtos mais exportados pelo produtor brasileiro. De janeiro a agosto deste ano, houve elevação de 81,4%.

Os dados são do sistema de dados Comex Stat do Ministério da Economia.

“A questão do cambio é fundamental”, diz Mauro Rochlin, economista da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que explica que a valorização da moeda americana afeta diretamente as commodities, isto é, os produtos vendidos internacionalmente.

“As commodities têm como referência o dólar. Isso explica não só o preço do arroz, como também dos derivados de soja e outros produtos”, completa.

Dessa maneira, com a incidência de estoques baixíssimos no Mercosul, os países precisam adquirir produtos dos Estados Unidos e Índia em valores mais altos.

Interferência no mercado

O Comitê-Executivo de Gestão (Gecex) da Câmara de Comércio Exterior (Camex) decidiu zerar a alíquota do imposto de importação para o arroz em casca e beneficiado até 31 de dezembro deste ano.

A redução temporária está restrita à quota de 400 mil toneladas, incidente nos produtos abarcados pelos códigos 1006.10.92 (arroz com casca não parboilizado) e 1006.30.21 (arroz semibranqueado ou branqueado, não parboibilizado) da Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM).

Segundo Tereza Cristina, ministra da Agricultura, não faltará arroz no país.

No entanto, uma queda significativa do preço depende da valorização do real perante o dólar.

Cenário para o produtor

Para os rizicultores, que estavam arcando com prejuízos nas últimas safras, o cenário parece positivo.

Afinal, além da valorização do produto por conta do câmbio, quem ainda tem arroz em depósito deve conseguir um preço melhor mesmo no mercado nacional. Isso deve dar apoio aos produtores, que lidam com problemas climáticos e a diminuição de área plantada.

Acompanhe mais novidades e dicas na Caravana Família Nação Agro, projeto do SENAR-SP que objetiva capacitar, promover e incentivar o agricultor do estado de São Paulo.

Notícias Relacionadas:

Terra marrom arada vista de cima

FAESP faz curso para declaração de ITR; prazo vai até 30/09

Curso técnico prepara produtores e sindicatos rurais para cumprirem as normas do processo de preenchimento da declaração de ITR

Mercado do café e turismo rural foram temas da Família Nação Agro

Nesta semana, Família Nação Agro desembarcou em Caconde e Itu para levar informação ao produtor rural e ouvir suas necessidades

Auditório no sindicato rural de Itu

Cursos do SENAR-SP preparam produtores de Itu para retomada do turismo

Itu (SP) é um destino popular para o turismo tradicional, assim como rural. Porém, com a pandemia, o setor tem sido prejudicado