Preço das verduras fecha maio com queda de 19%

Frutas e legumes também ficaram mais em conta no atacado em São Paulo. Baixas devem continuar nos próximos meses no estado

Fonte: Pixabay

O índice de preços da CEAGESP (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo) registrou, em maio, uma queda geral de 7% no atacado. A média é calculada a partir dos preços praticados em 14 unidades da Companhia no estado.

O setor de verduras teve a maior redução, de 19%, puxada pelas baixas da salsa (53,8%), da acelga (48,6%), das alfaces crespa (37,5%), americana (31,9%) e lisa (31,8%) e do repolho (31,1%).  A única alta foi do coentro: 49,5%.

Os legumes ficaram em segundo lugar, com queda de 7,59%. Os pimentões vermelho (-48,1%) e amarelo (-49,1%) e o tomate (-26,1%) lideraram as baixas. Por outro lado, a berinjela japonesa ficou 26,4% mais cara, e o chuchu, 20%.

Já o valor pago pelas frutas caiu 5,76%. Destaque para a laranja lima (-32,6%), mamão formosa (-35,2%) e manga palmer (-23,3%). Apesar da queda no mês passado, o índice de preços acumula alta de 1% em 2019.

As temperaturas mais amenas do outono e a pouca incidência de chuvas levaram a uma melhora na qualidade da maioria dos produtos. Nos próximos meses, segundo a CEAGESP, a tendência é de que os preços continuem caindo, desde que geadas não atinjam as regiões produtoras.

Notícias Relacionadas:

Isenção de ICMS garante atividades do agro e estabilidade dos preços de alimentos, diz FAESP

Isenção de ICMS garante atividades do agro e estabilidade dos preços de alimentos, diz FAESP

A revogação do aumento de ICMS oficializada hoje, 15, pelo governo paulista foi recebida positivamente pela entidade

Após protesto na CEAGESP, governo paulista revoga aumento de ICMS sobre o agro

Governo paulista revoga aumento de ICMS sobre o agro após pressão do setor

A revogação foi publicada nesta sexta-feira, 15, no Diário Oficial, em três novos decretos

Lichia: fonte de Vitamina C, fruta pode ser apreciada até o final de janeiro

Lichia: fonte de Vitamina C, fruta pode ser apreciada até o final de janeiro

Saborosa e nutritiva, lichia tem sido apontada como um bom investimento para o futuro