Peixe redondo e panga devem crescer com retomada do consumo

Avanço tecnológico e abertura de novos mercados podem impulsionar competitividade do setor

Peixes

Por Tobias Ferraz
A criação de peixes no sistema intensivo, seja em tanque-rede, tanque escavado ou tanque suspenso, encontra cada vez mais adeptos no Brasil. De acordo com a Peixe BR – Associação Brasileira da Piscicultura, o setor vem crescendo cerca de 4,5% em média nos últimos anos.  A tilápia representa 55% do toda a produção,  o equivalente a aproximadamente a 400.000 toneladas. O peixes redondos, das espécies nativas como tambaqui, pirapitinga e pacu, também estão se mostrando muito competitivas de acordo com Armando Prato, coordenador da Comissão de Aquicultura da FAESP – “Quando essa pandemia passar, o setor de peixes vai poder ofertar alimento de qualidade para a produção. Vejo nas espécies de peixes redondos um grande potencial produtivo.” – afirma.

Confira a entrevista completa de Armando Prato para o Família Nação Agro:

Notícias Relacionadas:

Preço da batata sobe

Falta de chuva faz preço da batata subir 76% em outubro

Cepea/Esalq prevê manutenção da valorização dos preços nos próximos meses devido ao “adiantamento da colheita” e baixo volume de chuva

Família Nação Agro explora mercado de cogumelos, apicultura e turismo rural

Durante a semana, projeto do SENAR-SP visitou os municípios de Sorocaba e Ubatuba

Preços da cenoura aumentaram

Calor afeta preços de frutas e hortaliças vendidas no atacado

Boletim Prohort, da Conab, mostra movimento dos preços em setembro e tendências para outubro