Peixe redondo e panga devem crescer com retomada do consumo

Avanço tecnológico e abertura de novos mercados podem impulsionar competitividade do setor

Peixes

Por Tobias Ferraz
A criação de peixes no sistema intensivo, seja em tanque-rede, tanque escavado ou tanque suspenso, encontra cada vez mais adeptos no Brasil. De acordo com a Peixe BR – Associação Brasileira da Piscicultura, o setor vem crescendo cerca de 4,5% em média nos últimos anos.  A tilápia representa 55% do toda a produção,  o equivalente a aproximadamente a 400.000 toneladas. O peixes redondos, das espécies nativas como tambaqui, pirapitinga e pacu, também estão se mostrando muito competitivas de acordo com Armando Prato, coordenador da Comissão de Aquicultura da FAESP – “Quando essa pandemia passar, o setor de peixes vai poder ofertar alimento de qualidade para a produção. Vejo nas espécies de peixes redondos um grande potencial produtivo.” – afirma.

Confira a entrevista completa de Armando Prato para o Família Nação Agro:

Notícias Relacionadas:

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Secretaria de Agricultura orienta pecuaristas e desenvolve estudos para controle do carrapato com o uso de produto natural e controle biológico

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

De olho no mercado de café, cafeicultores brasileiros vêm investindo na produção de cafés especiais em busca de maior retorno financeiro

FAESP busca isenção de ICMS para leite

FAESP busca isenção de ICMS para leite

A saída do produto cru e pasteurizado, que era isenta, passará a ser tributada em 4,14%