Peixe redondo e panga devem crescer com retomada do consumo

Avanço tecnológico e abertura de novos mercados podem impulsionar competitividade do setor

Peixes

Por Tobias Ferraz
A criação de peixes no sistema intensivo, seja em tanque-rede, tanque escavado ou tanque suspenso, encontra cada vez mais adeptos no Brasil. De acordo com a Peixe BR – Associação Brasileira da Piscicultura, o setor vem crescendo cerca de 4,5% em média nos últimos anos.  A tilápia representa 55% do toda a produção,  o equivalente a aproximadamente a 400.000 toneladas. O peixes redondos, das espécies nativas como tambaqui, pirapitinga e pacu, também estão se mostrando muito competitivas de acordo com Armando Prato, coordenador da Comissão de Aquicultura da FAESP – “Quando essa pandemia passar, o setor de peixes vai poder ofertar alimento de qualidade para a produção. Vejo nas espécies de peixes redondos um grande potencial produtivo.” – afirma.

Confira a entrevista completa de Armando Prato para o Família Nação Agro:

Notícias Relacionadas:

Conheça 4 doenças que mais atingem suínos

Conheça 4 doenças que mais atingem suínos

Em São Paulo, o mercado de suínos está aquecido e com preços vantajosos ao produtor

Veja quais são as principais doenças que afetam o gado de leite

Pecuária de leite: veja como manter atividades mesmo com altas nos insumos

A escassez de chuvas e baixa nos reservatórios também dificultam a manutenção dos rebanhos

6 alimentos da roça ideais para consumir no inverno

6 alimentos da roça ideais para consumir no inverno

No período mais frio do ano, aposte em comidas que te ajudam a evitar doenças como gripes e resfriados