Saúde no campo: tudo o que você precisa saber sobre dengue, zika e chikungunha

O número de casos de dengue cresceu 149% este ano e governo pede mais cuidado para evitar o mosquito transmissor

Foto: Pixabay

 

Os casos de dengue no Brasil não param de subir. Segundo o Ministério da Saúde, o crescimento foi de 149%, passando de 21.992 para 54.777 casos até janeiro deste ano. Só em Bauru, cidade no interior de São Paulo, já foram notificados 6 mil casos com 10 mortes. Em Minas Gerais, já são 24 mil pessoas com a doença até o momento.

O crescimento da dengue preocupa as autoridades, que pedem aos gestores estaduais e municipais que intensifiquem as ações de eliminação dos focos do mosquito Aedes aegypti. Afinal todas medidas preventivas da doença dependem do combate deste vetor, que em 90% dos casos está presente nos domicílios. Lembrando que o mosquito Aedes passa a vida inteira, que dura cerca de 30 dias, num território localizado dentro de um raio de 200 e 300 metros.

 

Prevenção – As medidas recomendadas pelo Ministério da Saúde são simples e eficientes, como manter bem tampado tonéis, caixas e barris de água; trocar água dos vasos de planta uma vez por semana; manter garrafas de vidro e latinhas de boca para baixo; e acondicionar pneus em locais cobertos. 

Fonte: Ministério da Saúde

 

Sintomas da Doença – Os principais sinais e sintomas comuns à dengue, chikungunya e zika são febre, vermelhidão na pele e dores no corpo. A dengue apresenta uma febre mais elevada se comparada às outras duas viroses, além de dor nos olhos. Atenção: a dengue pode evoluir para formas mais graves e até fatais.

Já a chikungunha caracteriza-se por dores ou inchaço nas articulações. Para que se suspeite do diagnóstico é necessário que o paciente apresente artrite ou artralgia. Já o zika vírus, além de febre pode surgir uma conjuntivite  não bacteriana (olhos vermelhos). Também já está comprovado que o zika vírus pode causar doenças neurológicas graves, como microcefalia.

Não há tratamento específico para a doença, mas identificar os sintomas e o diagnóstico podem evitar a ingestão de remédios não recomendados. Lembrando que antitérmicos e analgésicos podem ser usados com indicação médica, mas os remédios à base de ácido acetil salicílico e os corticoides devem ser evitados.

Notícias Relacionadas:

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Secretaria de Agricultura orienta pecuaristas e desenvolve estudos para controle do carrapato com o uso de produto natural e controle biológico

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

De olho no mercado de café, cafeicultores brasileiros vêm investindo na produção de cafés especiais em busca de maior retorno financeiro

FAESP busca isenção de ICMS para leite

FAESP busca isenção de ICMS para leite

A saída do produto cru e pasteurizado, que era isenta, passará a ser tributada em 4,14%