Saúde no campo: tudo o que você precisa saber sobre dengue, zika e chikungunha

O número de casos de dengue cresceu 149% este ano e governo pede mais cuidado para evitar o mosquito transmissor

Foto: Pixabay

 

Os casos de dengue no Brasil não param de subir. Segundo o Ministério da Saúde, o crescimento foi de 149%, passando de 21.992 para 54.777 casos até janeiro deste ano. Só em Bauru, cidade no interior de São Paulo, já foram notificados 6 mil casos com 10 mortes. Em Minas Gerais, já são 24 mil pessoas com a doença até o momento.

O crescimento da dengue preocupa as autoridades, que pedem aos gestores estaduais e municipais que intensifiquem as ações de eliminação dos focos do mosquito Aedes aegypti. Afinal todas medidas preventivas da doença dependem do combate deste vetor, que em 90% dos casos está presente nos domicílios. Lembrando que o mosquito Aedes passa a vida inteira, que dura cerca de 30 dias, num território localizado dentro de um raio de 200 e 300 metros.

 

Prevenção – As medidas recomendadas pelo Ministério da Saúde são simples e eficientes, como manter bem tampado tonéis, caixas e barris de água; trocar água dos vasos de planta uma vez por semana; manter garrafas de vidro e latinhas de boca para baixo; e acondicionar pneus em locais cobertos. 

Fonte: Ministério da Saúde

 

Sintomas da Doença – Os principais sinais e sintomas comuns à dengue, chikungunya e zika são febre, vermelhidão na pele e dores no corpo. A dengue apresenta uma febre mais elevada se comparada às outras duas viroses, além de dor nos olhos. Atenção: a dengue pode evoluir para formas mais graves e até fatais.

Já a chikungunha caracteriza-se por dores ou inchaço nas articulações. Para que se suspeite do diagnóstico é necessário que o paciente apresente artrite ou artralgia. Já o zika vírus, além de febre pode surgir uma conjuntivite  não bacteriana (olhos vermelhos). Também já está comprovado que o zika vírus pode causar doenças neurológicas graves, como microcefalia.

Não há tratamento específico para a doença, mas identificar os sintomas e o diagnóstico podem evitar a ingestão de remédios não recomendados. Lembrando que antitérmicos e analgésicos podem ser usados com indicação médica, mas os remédios à base de ácido acetil salicílico e os corticoides devem ser evitados.

Notícias Relacionadas:

Pitaia roxa

Embrapa aponta que pitaia pode ajudar no controle de glicemia, colesterol e ansiedade

Fruta nativa das florestas tropicais da América Central e do Sul, Índia e Malásia ainda é pouco produzida no Brasil

Mudas com defensivos

Mapa anuncia extensão de uso de mais 17 defensivos agrícolas para pequenas culturas

Com a medida do ministério, agricultores poderão utilizar produtos conhecidos e garantir segurança aos alimentos

Dicas para montar apiário

Confira 5 dicas para começar seu apiário

Em Dia de Campo Seguro em Sorocaba (SP), instrutor do SENAR-SP Nivaldo Aparecido Bertelli dá dicas para gestão de apiário