Mapa estabelece ações de prevenção a pragas que podem afetar a fruticultura nacional

O objetivo é evitar a entrada de pragas exóticas de importância econômica no país ou adotar medidas tempestivas no caso de detecção

Mapa estabelece ações de prevenção a pragas que podem afetar a fruticultura nacional

A Secretaria de Defesa Agropecuária do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) publicou na terça-feira, 15, no Diário Oficial da União, as Instruções Normativas nº 111 e 112 que tratam, respectivamente, dos Planos Nacionais de Prevenção e Vigilância das pragas  Lobesia botrana  (Traça-europeia dos cachos da videira)   e Moniliophtora roreri  (Monilíase do Cacaueiro). Ambas as pragas compõem a lista de 20 pragas ausentes priorizadas no âmbito do Programa Nacional de Prevenção às Pragas Quarentenárias Ausentes no Brasil. 

“O objetivo dos planos é evitar a entrada de pragas exóticas de importância econômica no país ou adotar medidas tempestivas no caso de sua eventual detecção, evitando assim a sua dispersão para outras áreas e os consequentes danos econômicos e sociais para os produtores rurais”, destaca a coordenadora-geral de Proteção de Plantas, Graciane de Castro. Segundo ela, todas as 20 pragas ausentes priorizadas terão planos específicos estruturados.

A praga Lobesia botrana é categorizada como PQA (Praga Quarentenária Ausente) no Brasil e se constitui em grande ameaça às culturas da uva, mirtilo, cereja e ameixa. É considerada a principal praga da videira (Vitis vinifera).  A vitivinicultura brasileira possui enorme importância social e econômica pelo elevado impacto na geração de emprego e renda, tanto nos segmentos de uvas de mesa (que representam mais da metade da área cultivada com uvas no Brasil) quanto nas uvas para processamento, destinada à elaboração de vinhos, espumantes, suco de uva e outros produtos. 

Já a monilíase, causada pelo fungo Moniliophthora roreri, é também PQA e considerada a doença mais devastadora para o cacau. A praga tem histórico de grandes prejuízos em outros países, sendo as variedades dos hospedeiros no Brasil suscetíveis a esta doença. Sendo o Brasil grande produtor de cacau, fica evidente o seu potencial de dano para o país.

As ações de prevenção à introdução de novas pragas no país são fator fundamental na proteção e sustentabilidade da fruticultura nacional e têm tido especial relevância neste ano, declarado pelas Nações Unidas como Ano Internacional da Sanidade Vegetal, com o objetivo de sensibilizar globalmente para as vantagens da proteção da sanidade dos vegetais, na prevenção da fome mundial, redução da pobreza, proteção do ambiente e estímulo do desenvolvimento econômico.

Via Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento)

Notícias Relacionadas:

Geadas: prejuízos no café podem demorar até 3 anos para serem recuperados em São Paulo

Confira uma entrevista com Ademar Pereira, presidente do sindicato rural de Caconde, que analisa os impactos do frio na produção

Família Nação Agro: 3ª temporada do projeto começa nesta quinta

Confira o resultado do sorteio desta sexta-feira, 30 de julho

Até 20 de agosto, projeto do SENAR-SP irá sortear prêmios a quem acessar vídeos exclusivos

São Paulo recebe frente fria, mas apenas região costeira deve ter chuvas

Em São Paulo, semana terá nova frente fria a partir de quarta-feira

Apesar da previsão de frio, começo da semana deve ser marcado por temperaturas mais elevadas