Curso de lã de ovelhas do SENAR-SP gera renda extra a produtoras rurais

O curso abrange aspectos históricos da atividade, beneficiamento da matéria-prima e confecção de artefatos utilitários e decorativos

Curso de lã de ovelhas do SENAR-SP gera renda extra a produtoras rurais

A divisão de promoção do SENAR-SP (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de São Paulo) lançou o curso Artesanato com Lã de Ovinos – Utilitários e Decorativos, visando reconhecer o valor histórico e cultural presente no modo tradicional de produção, além das possibilidades de ganhos econômicos com a produção de peças decorativas de qualidade e bem aceitas no mercado.

Objetivo do programa é ensinar sobre confecção de artefatos utilitários e decorativos com lã de ovinos, por meio das técnicas do beneficiamento, feltragem, crochê e tecelagem. Além de conhecer a origem histórica e as técnicas, os participantes aprendem sobre a estrutura da lã e seus tipos, obtidos por raça de ovino, e fatores que influenciam sua qualidade.

Além disso, o projeto busca promover o artesanato sustentável, com o uso de materiais orgânicos para tingimento e reuso da água da lavagem da lã. Todos os participantes recebem, ao final, informações sobre os aspectos relativos à comercialização dos produtos, para que o aprendizado transforme-se em alternativa de geração de renda para a família.

Primeiro curso em Santa Rosa de Viterbo

Em março, o curso Artesanato com Lã de Ovinos – Utilitários e Decorativos foi realizado pela primeira vez em Santa Rosa de Viterbo (SP). Os participantes executaram todos os passos para a transformação da lã bruta e exercitaram as técnicas citadas para a produção de marcador de livro, carteira, almofada, cachepô, bolsa, assento para banco, tapete e baixeiro.

“Temos um grupo que já trabalha com produção e venda de artesanato e vinha pedindo o curso há tempos”, conta Daniele Abaque, coordenadora do SENAR-SP no sindicato rural do município. “Com a reformulação do curso, conseguimos encontrar uma instrutora. Foi uma experiência muito gratificante. A atividade é extremamente completa e produtiva, contemplando desde o princípio até o produto final, além das várias técnicas abordadas. Os alunos gostaram bastante”.

O curso fez sucesso entre os participantes, que pretendem comercializar as peças produzidas e se espera que, com essa atividade, as pessoas obtenham renda, aproveitando a matéria-prima, muitas vezes descartada por criadores de ovinos. “O treinamento foi de grande importância para mim, pois, por meio dele, consegui aumentar minhas habilidades no artesanato e me reinventar neste momento tão difícil. Com certeza, incluirei em meus trabalhos o artesanato em lã”, relata Claudia Cervi, uma das participantes.

“O curso é muito completo e ensina com clareza todas as fases do artesanato em lã, desde o tratamento até a finalização. Com certeza, foi um grande aprendizado que levaremos e agregará muito em nossos trabalhos”, afirma Marcela Eduarda, artesã.

A nova atividade promoveu um desdobramento social. Alguns sindicatos rurais que realizarão o curso, adquiriram lãs do Projeto Mãostiqueiras, de Campos do Jordão (SP), que tem por objetivo evitar o desperdício de lã e transformá-la em peças decorativas, visando gerar benefícios ambientais, sociais e financeiros, por meio da capacitação de mulheres da comunidade.

Juliana Bastos, a idealizadora do projeto e uma das autoras das cartilhas, conta que “essa renda veio em boa hora para as mulheres participantes, pois o local encontra-se fechado devido à fase vermelha do plano de São Paulo”.

Fonte: SENAR-SP

Notícias Relacionadas:

Grãos de café marrons vistos de cima

Café: conheça o melhor e o pior tipo de fermentação

Dúvida foi esclarecida por instrutor do SENAR-SP com exclusividade ao quadro Pergunta do Produtor

São Paulo: chuvas devem voltar no final da semana

Semana terá chuva intensa espalhada por São Paulo

De acordo com o Cemaden, passagem de frente fria trará precipitações para o estado paulista

copo de leite de búfala

Preço do leite na Alta Noroeste registra queda de R$ 0,23 por litro

Margens apertadas preocupam produtores de leite