Crédito Rural: saiba quais as orientações para renegociar dívidas

Devido a pandemia, muitos produtores estão em busca de melhores condições para crédito, mas antes é necessário registrar o pedido de prorrogação de dívidas com o banco ou cooperativa de crédito

calculadora dividas venda casada

Renegociação das parcelas de empréstimo e acesso ao crédito agrícola foram os principais temas da entrevista com o engenheiro agrônomo Cláudio Brisolara, chefe do Departamento Econômica da Faesp. Ele sugere algumas recomendações na hora de formalizar o acordo  “É importante que o produtor formalize o pedido de renegociação por escrito. Caso o banco não aceite, isso pode ser feito pelos Correios com correspondência registrada (solicitar o Aviso de Recebimento –  A.R.). Da mesma forma é preciso registrar e informar ao banco se houve problema com a comercialização, registrar perdas com fotos e vídeo quando possível.” – recomenda o especialista.

 

Cláudio também destacou pontos que a Faesp propões para o novo Plano Safra para o ano agrícola 2020/2021 – “Nós estamos pleiteando a redução dos juros para 2,5% a 3% ao ano e ampliação do Seguro Agrícola, além da facilidade para o acesso ao crédito.” – explica.

Veja a entrevista completa com Claudio Brisolara.

Notícias Relacionadas:

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Secretaria de Agricultura orienta pecuaristas e desenvolve estudos para controle do carrapato com o uso de produto natural e controle biológico

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

De olho no mercado de café, cafeicultores brasileiros vêm investindo na produção de cafés especiais em busca de maior retorno financeiro

FAESP busca isenção de ICMS para leite

FAESP busca isenção de ICMS para leite

A saída do produto cru e pasteurizado, que era isenta, passará a ser tributada em 4,14%