Cinco coisas que você não sabia sobre a cachaça

Ministério da Agricultura lança anuário da cachaça com curiosidades sobre a bebida

Foto:PixaBay
De tão importante, o termo “cachaça” virou expressão protegida por decreto em 2001. Só produtor que estiver no Brasil pode usar.  Mas apesar de ser conhecida pelos brasileiros, a cachaça tem suas peculiaridades!

Em 2018 o Brasil exportou 8,41 milhões de litros de cachaça para 77 países, o que gerou uma receita de US$15,61 milhões. É Um pouco menos que em 2017, quando saíram daqui 8,7 milhões de litros, responsáveis por movimentar US$15,8 milhões.  Em volume, o  principal cliente da cachaça brasileira tem sido o Paraguai. No ano passado, segundo os dados do IBRAC, o Instituto Brasileiro da Cachaça, os nossos vizinhos compraram um quarto do total exportado. Nesta semana, o Ministério da Agricultura publicou o Anuário da Cachaça Brasil 2019. A bebida é produzida em mais de 800 municípios.  Veja cinco curiosidades a respeito da cachaça:

1. Aguardente não é o mesmo que cachaça
Toda cachaça é uma aguardente, mas nem toda aguardente pode ser chamada de cachaça. Isso porque as duas têm definições de teor alcoólico diferentes, regulamentadas por decretos.  O decreto nº 6.871, de 4 de junho de 2009, que regulamenta a Lei nº 8.918, de 1994, diz que cachaça é um tipo de aguardente de cana-de-açúcar produzida exclusivamente no Brasil. O teor alcoólico da cachaça varia entre 38 e 48%.  Já a aguardente de cana foi padronizada pelo Decreto nº 6.871, de 2009, que Regulamenta a Lei nº 8.918, de 1994. O teor da aguardente é maior que o da cachaça: pode variar entre 38 e 54% .
2. O ambiente faz toda a diferença
Assim como acontece com a uva, a cana-de-açúcar também sobre influência do clima, solo, relevo, altitude e quantidade de chuvas.  A combinação entre esses fatores produz sabores diferentes para a bebida. E se for armazenada em madeira, melhor ainda! As mais comuns são o carvalho americano e o europeu. Pelas regras do Ministério da Agricultura, o recipiente de madeira usado para armazenar a cachaça pode ter sido usado anteriormente para o envelhecimento de outras bebidas. Só não pode reutilizar se o recipiente tiver sido usado para outras finalidades.
3. Cachaça premium?
A cachaça tem, sim, suas diferenças! E elas são divididas em categorias. Além da tradicional, a bebida pode ser adoçada (com mais de seis e menos de 30 gramas por litro), envelhecida (desde que metade do conteúdo tenha sido conservada em madeira por um ano ou mais) e premium (100% armazenada em madeira pelo mesmo período da envelhecida). E tem ainda a extra premium, que é aquela envelhecida por mais três anos ou mais. Os termos cachaça industrial, de coluna, orgânica, artesanal e de alambique não são reconhecidos pelo MAPA.  Popularmente, a cachaça que não é envelhecida é conhecida como “cachaça descansada”.
4. Cada cor, um nome!
Se você encontrar por aí uma cachaça com o rótulo de “clássica”, “prata” ou “tradicional”, é porque a bebida é incolor. Agora, se a expressão for “ouro”, a cor pode variar entre amarelo e marrom. Com exceção do corante amarelo na cachaça envelhecida, é proibido usar corantes de qualquer tipo, lascas de madeira ou qualquer outra substância para mudar a cor original da bebida. Sementes, animais, ramos, folhas, frutas ou especiarias também não podem ser usados.
5. Minas Gerais na liderança
Minas é líder absoluto em estabelecimentos que produzem cachaça. São 421. Em segundo lugar, com 126, aparece o estado de São Paulo, seguido pelo Espírito Santo (74), Rio de Janeiro (50) e Rio Grande do Sul (49). Em todo o país são 951 estabelecimentos, responsáveis pela produção de 3.648 marcas de cachaça. Roraima é o único estado que não produz cachaça.

 

Quer saber mais? Clique aqui e acesse a página do Anuário da Cachaça Brasil 2019

Notícias Relacionadas:

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

De olho no mercado de café, cafeicultores brasileiros vêm investindo na produção de cafés especiais em busca de maior retorno financeiro

FAESP busca isenção de ICMS para leite

FAESP busca isenção de ICMS para leite

A saída do produto cru e pasteurizado, que era isenta, passará a ser tributada em 4,14%

Consulta pública sobre regras para fabricação de queijo artesanal vai até 24 de janeiro

Consulta pública sobre regras para fabricação de queijo artesanal vai até 24 de janeiro

A proposta é estabelecer boas práticas agropecuárias para as queijarias