Após abertura do mercado chinês, piscicultura se organiza para o crescimento da demanda

A Comissão de Aquicultura da Federação de Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo - Faesp, busca a integração das cadeias produtivas da aquicultura e piscicultura para fortalecer o Setor

Peixes

O anúncio da liberação de 11 plantas frigoríficas para exportação de peixe a China vai dar um novo fôlego à piscicultura brasileira. Foi o que afirmou Martinho Colpani, representante da Comissão de Aquicultura da Federação de Agricultura do estado de São Paulo ( FAESP) e membro da diretoria da Associação Brasileira de Piscicultura (Peixe BR).

Apesar disso, em entrevista ao jornalista Tobias Ferraz, Colpani disse que ainda existem gargalos a serem superados pelo setor, como o alto custo de produção e a baixa produtividade média. “O Brasil tem uma grande diversidade de espécies de peixes e por causa disso ficamos muito tempo buscando as espécies mais produtivas. Agora é um momento de buscarmos resultados acima das 15 toneladas de peixe nativo por hectare”, explica.

Veja a Live completa:

Notícias Relacionadas:

Pousada ao pôr-do-sol com árvores é opção para turismo rural

Inovação ajuda na retomada de turismo rural em São Paulo

Demanda por turismo rural deve aumentar com a flexibilização das atividades no estado

Preço da batata sobe

Falta de chuva faz preço da batata subir 76% em outubro

Cepea/Esalq prevê manutenção da valorização dos preços nos próximos meses devido ao “adiantamento da colheita” e baixo volume de chuva

Família Nação Agro explora mercado de cogumelos, apicultura e turismo rural

Durante a semana, projeto do SENAR-SP visitou os municípios de Sorocaba e Ubatuba