Após abertura do mercado chinês, piscicultura se organiza para o crescimento da demanda

A Comissão de Aquicultura da Federação de Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo - Faesp, busca a integração das cadeias produtivas da aquicultura e piscicultura para fortalecer o Setor

Peixes

O anúncio da liberação de 11 plantas frigoríficas para exportação de peixe a China vai dar um novo fôlego à piscicultura brasileira. Foi o que afirmou Martinho Colpani, representante da Comissão de Aquicultura da Federação de Agricultura do estado de São Paulo ( FAESP) e membro da diretoria da Associação Brasileira de Piscicultura (Peixe BR).

Apesar disso, em entrevista ao jornalista Tobias Ferraz, Colpani disse que ainda existem gargalos a serem superados pelo setor, como o alto custo de produção e a baixa produtividade média. “O Brasil tem uma grande diversidade de espécies de peixes e por causa disso ficamos muito tempo buscando as espécies mais produtivas. Agora é um momento de buscarmos resultados acima das 15 toneladas de peixe nativo por hectare”, explica.

Veja a Live completa:

Notícias Relacionadas:

Geadas: prejuízos no café podem demorar até 3 anos para serem recuperados em São Paulo

Confira uma entrevista com Ademar Pereira, presidente do sindicato rural de Caconde, que analisa os impactos do frio na produção

Família Nação Agro: 3ª temporada do projeto começa nesta quinta

Confira o resultado do sorteio desta sexta-feira, 30 de julho

Até 20 de agosto, projeto do SENAR-SP irá sortear prêmios a quem acessar vídeos exclusivos

São Paulo recebe frente fria, mas apenas região costeira deve ter chuvas

Em São Paulo, semana terá nova frente fria a partir de quarta-feira

Apesar da previsão de frio, começo da semana deve ser marcado por temperaturas mais elevadas