Baixa na Selic pode favorecer acesso de produtores a empréstimos subvencionados

Faesp defende crédito competitivo no mercado financeiro e desburocratização na concessão

Taxa Selic baixa

Por meio de comunicado oficial, a Faesp (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo) afirmou que entende que a “Selic mais baixa de todos os tempos” vigente hoje cria um ambiente favorável à concessão de crédito com juros reais menores. “Isso é importante, pois o dinheiro subvencionado do governo, relativo ao Plano Safra, atende, no máximo, a um terço da demanda, de modo que muitos produtores precisam recorrer a empréstimos no mercado financeiro normal”, explica Fábio Meirelles, presidente da entidade.

Meirelles afirma que os produtores estão buscando mais créditos, por conta do preço mais atrativo do milho e da soja, que representam 85% da produção brasileira de grãos. A análise é validada pelo balanço dos primeiros três meses (julho, agosto e setembro) do Plano Safra 2020, que aponta que já foram concedidos R$ 73,8 milhões, o que significa 28% a mais do registrado no mesmo período de 2019.

“Os produtores estão, inclusive, buscando vender no mercado futuro, para garantir o preço atual por ocasião da colheita, em março e abril do próximo ano. Por isso, buscam mais recursos para financiar insumos e outros custos da lavoura”, ressalta Meirelles.

Entretanto, com a crise fiscal do setor público, os recursos subvencionados são cada vez menores, exigindo-se que se recorra mais a empréstimos no mercado financeiro convencional. Daí o significado da Selic mais baixa, bem como de medidas capazes de reduzir o spread bancário e outros fatores que acabam tornando os juros reais mais elevados.

Segundo o presidente da Faesp, é “importante aumentar a competição entre os bancos e facilitar a concessão do crédito”. “Muitas vezes, os recursos estão disponíveis nas instituições financeiras, mas a burocracia é tamanha que o produtor não consegue atender a tudo o que é solicitado”, pondera Meirelles.

Entre as principais exigências estão numerosas certidões negativas, elaboração de projeto, pagamento de análise ao agrônomo ligado ao banco, outorga do uso da água, comprovações ambientais e cadastros em distintos órgãos oficiais, que se tornam entraves no caminho do produtor rural. “Por isso, defendemos a simplificação dos processos, para que o dinheiro cheque efetivamente dentro da porteira”, conclui.

Notícias Relacionadas:

Semana será marcada por chuvas no sul de São Paulo

Semana terá chuvas no sul de São Paulo

Previsão aponta tempo seco e nublado no centro e norte do estado

3 lições que o SENAR-SP dá a jovens empreendedores rurais

3 lições que o SENAR-SP dá a jovens empreendedores rurais

Programa oferece conhecimentos sobre educação socioambiental, convivência profissional e negócios

Sindicato rural de Cruzeiro celebra capacitação de produtores para turismo rural

Sindicato rural de Cruzeiro celebra capacitação de produtores para turismo rural

Caravana no município paulista ofereceu dicas sobre marketing no turismo rural e soluções digitais