Produtor investe R$ 1 milhão em energia solar e agora pode ser taxado

Resolução da Aneel quer compensar os investimentos criados em infraestrutura pelas empresas distribuidoras de energia

placa de captação de energia solar

Uma resolução da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) pode trazer prejuízo aos produtores rurais que investiram em placas de energia solar. Como argumento, agência afirma que a ação é uma forma de compensar os investimentos criados em infraestrutura pelas empresas distribuidoras de energia e a política de subsídios do setor.

“A energia solar e os paineis se expandiram tanto que estão deixando um custo a ser pago para os outros consumidores. Então, o que a agência propôs é reavaliar a resolução para que a energia solar avance de maneira sustentável sem ocasionar custo para os demais consumidores”, disse o diretor geral da Aneel, André Pepitone.

A medida pode prejudicar empresas e agricultores que investiram neste tipo de energia limpa, como o Ernesto Gasparin, de Goiás. Ele gastava R$ 19 mil por mês de energia elétrica e resolveu investir R$ 1 milhão para baratear o custo e gerar energia própria.

“Na época foi um investimento muito caro mas hoje é compensatório. Só que com essas taxas que o povo tá pensando hoje, temos que pensar com um pé pra trás”, critica.

Notícias Relacionadas:

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Secretaria de Agricultura orienta pecuaristas e desenvolve estudos para controle do carrapato com o uso de produto natural e controle biológico

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

De olho no mercado de café, cafeicultores brasileiros vêm investindo na produção de cafés especiais em busca de maior retorno financeiro

FAESP busca isenção de ICMS para leite

FAESP busca isenção de ICMS para leite

A saída do produto cru e pasteurizado, que era isenta, passará a ser tributada em 4,14%