Preços dos citros, do mamão, da manga e da uva registram alta

Índices do Cepea também mostram queda nos valores da banana, da maçã e da melancia. Feriado prolongado diminuiu o ritmo das vendas

Fonte: Pixabay

O período entre a segunda e a terceira semana de junho teve variações nos preços das frutas. O índice é calculado pelo Cepea, o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da USP. Veja a seguir um resumo do mercado:

 

BANANA
Os preços da banana prata caíram em todas as regiões pesquisadas pelo Cepea. No caso de Bom Jesus da Lapa (BA), a redução chegou a 14%. Em média, o quilo foi negociado a R$ 1,46.

No segundo semestre, com o fim do período de entressafra, os produtores estão preocupados com a qualidade disponível no mercado. O motivo são as altas temperaturas registradas neste ano, que podem levar a danos na planta.

 

CITROS
O preço da laranja subiu no mercado de mesa. A razão para isto é que a oferta foi direcionada para as indústrias paulistas. A alta da laranja pera é de 3,3% , com a caixa de 40,8 kg sendo negociada a R$ 18,25 na árvore.

No caso da poncã paulista, a alta é de 5,4%. Já para o limão tahiti, o preço tem sido limitado pela colheita, que está controlada. A valorização chegou a 7,3%.

 

MAÇÃ
O ritmo das vendas caiu um pouco mais com o feriado de Corpus Christi. A oferta controlada ajudou a segurar os preços. Mesmo assim, a queda ficou em 2,5% na média das regiões pesquisadas pelo Cepea. Em Fraiburgo (SC), os valores da variedade fuji graúda diminuíram 8%.

No geral, a caixa de 18 kg da maçã gala categoria 1 foi vendida por R$ 62,80 e a de fuji graúda categoria 1, R$ 53,97 – queda de 2,5 e 3%, respectivamente.

 

MANGA
O aumento nos preços da fruta só não foi maior porque a qualidade ofertada foi irregular, em consequência de áreas com presença de  antracnose e chuvas acima da média no começo do ano em Jaíba e Janaúba (MG).

No norte de Minas Gerais a variedade palmer foi vendida por R1,18, o que representa alta de 5%.

 

MAMÃO
o mamão tipo havaí ganhou valor no mercado em consequência da redução na oferta. No norte do Espírito Santo os preços subiram 5% . O quilo da variedade foi vendido por R$ 2,75. No Sul da Bahia a alta foi ainda maior: chegou a 13%, com média de R$ 3,25 o quilo.

O Cepea estima que o volume baixo disponível no mercado deve fazer com que os preços se mantenham. A expectativa é de que continue assim nas próximas semanas, com exceção para o final do mês, quando a demanda costuma diminuir.

 

MELÃO
A fruta segue com baixa procura pelo consumidor. Com isso, os preços caíram nas principais regiões produtoras. É o caso do melão amarelo a granel no Vale do São Francisco (BA/PE), onde o valor médio chegou a R$ 1,18. O preço representa uma redução de 10% na comparação com a segunda semana de junho.

No Rio Grande do Norte e no Ceará o Cepea registrou uma queda de 5% nos preços do melão amarelo tipo 6 e 7. A média fechou em R$ 27,00 a caixa. A expectativa é positiva para o desenvolvimento da safra, com previsões de temperaturas adequadas e poucas chuvas até a primeira semana de julho.

 

MELANCIA
Os preços caíram em Uruana (GO) na semana passada. A melancia graúda, que é aquela com peso maior que 12 kg, foi vendida por R$ 0,61/kg – isso equivale a uma redução de 7% em relação à semana anterior.

O motivo, segundo o Cepea, foi o volume maior disponível no mercado e também o feriado de Corpus Christi, que diminuiu o ritmo das vendas. O aumento na colheita pode continuar influenciando nos preços nesta semana.

 

UVA

O fim da safra de uva niagara em Louveira, Indaiatuba e Porto Feliz (SP) fez com que o preço da fruta subisse em Pirapora (MG) pela segunda semana seguida. O quilo foi vendido por R$ 5,88 – alta de 20,3% da segunda para a terceira semana de junho.

A distribuição das podas no município mineiro deve evitar quedas drásticas de preços porque a colheita vai ser fracionada.

Notícias Relacionadas:

3 lições que o SENAR-SP dá a jovens empreendedores rurais

3 lições que o SENAR-SP dá a jovens empreendedores rurais

Programa oferece conhecimentos sobre educação socioambiental, convivência profissional e negócios

Sindicato rural de Cruzeiro celebra capacitação de produtores para turismo rural

Sindicato rural de Cruzeiro celebra capacitação de produtores para turismo rural

Caravana no município paulista ofereceu dicas sobre marketing no turismo rural e soluções digitais

Turismo rural: caravana ensina a alcançar visitantes com marketing da propriedade

Segundo consultor do Sebrae-SP, 76% dos turistas consideram importante soluções digitais no turismo rural