5 dicas para manejo das vacas secas sem perder a lucratividade

Período vai além de esgotar o leite da vaca,  é uma pausa necessária para garantir o bem-estar animal e desenvolvimento do bezerro

Vacas secas

Do contrário que muitos pensam, as chamadas “vacas secas”, aquelas que não produzem mais leite, necessitam de cuidados específicos. Este é um momento de descanso que varia de 45 a 60 dias antes do próximo parto previsto, sendo importante para a recomposição do organismo antes da próxima lactação e também para garantir uma formação do feto. 

A iniciação do período de secagem deve acontecer no décimo mês, ou seja no fim da lactação. Em uma propriedade eficiente, é preciso que o controle zootécnico esteja em dia, as vacas só podem ser secas caso haja diagnóstico de prenhez. 

Pensando nisso a Família Nação Agro buscou informações com o instrutor técnico do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de São Paulo, Paulo Roberto Rodrigues, para explicar que atualmente um dos maiores problemas na atividade leiteira é a falta de diagnóstico de prenhez. “Um dos maiores problemas é secar o animal sem um diagnóstico de lactação. A cobertura do animal é feita 07 meses atrás”. O período também melhora a condição corporal. A vaca irá parir num bom escore, entre 3 e 4.”  destacou o instrutor.

Benefícios ao secar a vaca

O período seco também beneficia a qualidade do colostro e peso do bezerro. Promove o descanso das glândulas mamárias e regeneração dos tecidos secretores do leite. Recupera o escore corporal, pois a vaca para parição é necessário um estrutura corporal mais adequada para que não sofra consequências. Evita queda de CMS, o consumo de matéria seca.

 

Veja 5 dicas do Nação Agro para secagem das vacas

  • Faça a ordenha conforme de costume e seque todo o leite do úbere; Se o produtor faz uma ordenha de manhã e de tarde, que esse processo seja feito nas duas etapas;
  • Aplique antibióticos para controle de mastite, isso também auxilia na prevenção quando retornar a lactação;
  • Leve o animal para região afastada da sala de ordenha, para não estimular produção de leite;
  • Coloque a vaca em local com pastagem seca para auxiliar na redução de produção do leite;
  •  Após duas semanas, é necessário encaminhar o animal para um pasto bom;

 

Aplicando as dicas também é possível garantir o bem-estar dos animais, diminuindo o estresse e o risco de infecções como mastite e distúrbios metabólicos. 

Abaixo você confere o escore corporal e as condições adequadas para cada momento.

 

1 –  Parto;

2 – Produção leiteira;

3 – Ingestão de matéria seca / Reserva energética corporal;

4  e 5 –  Crescimento fetal;

 

Registro Nação Agro

Na granja do produtor Fernando Tompski em Mogi das Cruzes, interior paulista, a estratégia em melhorar a pastagem trouxe bons resultados. São 32 piquetes rotacionados para atender as vacas leiteiras girolando. Uma iniciativa é levar os animais ao piquete após a segunda ordenha, e deixá-las pastando no fim da tarde e de noite, tudo para garantir bem-estar. A equipe do Nação Agro conversou com o pecuarista e visitou fazendas que conseguiram bons resultados após participarem dos cursos do Senar.

 

Reveja a matéria no vídeo abaixo: 

 

Notícias Relacionadas:

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Secretaria de Agricultura orienta pecuaristas e desenvolve estudos para controle do carrapato com o uso de produto natural e controle biológico

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

De olho no mercado de café, cafeicultores brasileiros vêm investindo na produção de cafés especiais em busca de maior retorno financeiro

FAESP busca isenção de ICMS para leite

FAESP busca isenção de ICMS para leite

A saída do produto cru e pasteurizado, que era isenta, passará a ser tributada em 4,14%