Leite: Vale do Ribeira comercializa 3 milhões de litros e movimenta R$ 6 milhões em 2020

Aproximadamente 50 mil cabeças de búfalos fazem parte do rebanho de São Paulo, o que representa 40% da produção do Estado.

leitebufala

O interesse pela criação de búfalos vem crescendo no Brasil e se transformando em uma alternativa rentável, principalmente para donos de pequenas propriedades. Na região paulista do Vale do Ribeira, onde o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é um dos mais baixos do país, segundo dados do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), a criação da pecuária bubalina está mudando o perfil econômico da região.

O leite de búfala chega a custar o dobro do leite de vaca no estado de São Paulo. Nos últimos anos, restaurantes e supermercados gourmets da capital têm aumentado também a demanda pela mozarela de búfala. Segundo o Consultor de Negócios do Sebrae, Anderson Bezerra de Lima, o Vale do Ribeira tem a maior população de búfalos do estado, com aproximadamente 50 mil, representando 40% do rebanho.  Cerca de 550 famílias, dos principais municípios da região trabalham nessa cultura: Registro, Barra do Turvo, Iguape e Sete Barras.

De acordo com os principais laticínios da região, localizado na Barra do Turvo, 95% de toda produção de leite de búfala é destinada a leite e queijo. Sendo apenas 5% para os demais derivados – destaque para doce de leite. Em 2020, mesmo com a pandemia, R$3 milhões de litros de leite foram comercializados. 

Segundo Anderson B. de Lima, consultor do SEBRAE, da região, um programa desenvolvido pelo Sebrae em parceria com a Secretaria Estadual da Agricultura levou os pecuaristas a entender que era possível melhorar a produtividade com técnicas simples de manejo. “Tivemos também a parceria de um grande laticínio, que instalou um tanque de expansão em Barra do Turvo para manter o leite refrigerado. Esse laticínio também compra 95% da produção local para produção de queijo, requeijão e outros derivados do leite de búfala”.

Em Barra do Turvo, os produtores conseguem cerca de R$ 2,01 por litro de leite de búfala, enquanto o mercado paga R$1,28 pelo litro do leite de vaca. Sendo assim, no ano passado, a economia do município movimentou R$6 milhões. “A qualidade do nosso produto é o grande diferencial. Hoje, a procura é bem maior do que a oferta que temos”, finaliza Anderson.

Notícias Relacionadas:

3 lições que o SENAR-SP dá a jovens empreendedores rurais

3 lições que o SENAR-SP dá a jovens empreendedores rurais

Programa oferece conhecimentos sobre educação socioambiental, convivência profissional e negócios

Sindicato rural de Cruzeiro celebra capacitação de produtores para turismo rural

Sindicato rural de Cruzeiro celebra capacitação de produtores para turismo rural

Caravana no município paulista ofereceu dicas sobre marketing no turismo rural e soluções digitais

Turismo rural: caravana ensina a alcançar visitantes com marketing da propriedade

Segundo consultor do Sebrae-SP, 76% dos turistas consideram importante soluções digitais no turismo rural