Cresce demanda por diversidade no comércio de orgânicos

Marcelo Rondon Bezerra, instrutor do Sebrae, dá dicas sobre o cenário para comércio interno de orgânicos e sua demanda para exportação

Gôndola marrom cheia de maçãs vermelhas com paisagem duas árvores de copa verde ao fundo

Segundo pesquisa da ONG Organis, em 2019, cerca de 19% das famílias brasileiras consumiram produtos orgânicos a cada 30 dias.

Em 2017, o mesmo estudo registrava que 15% das casas do país incluíam orgânicos em sua dieta mensal. Ou seja, houve um aumento notável.

É o que aponta Marcelo Rondon Bezerra, instrutor do Sebrae, em palestra no Dia de Campo Seguro, na Caravana Família Nação Agro, que aconteceu nesta terça-feira, 08, em Lins (SP).

Caravana Família Nação Agro é um projeto do Senar São Paulo, que tem como objetivo capacitar produtores rurais do estado.

Crescimento e desafios no consumo interno

De acordo com balanço da Organis, o setor de produtos orgânicos faturou R$ 4,6 bilhões no Brasil ao longo do ano passado.

Porém, mesmo com tamanha evolução deste segmento, o consumidor relata problemas para encontrar estes produtos. Ao todo, 47% se queixam da dificuldade para encontrar orgânicos.

Em compensação, 39% dos entrevistados demonstram interesse em consumir mais orgânicos em um espaço de 6 meses.

Para facilitar na oferta de produtos, Bezerra indica parcerias entre produtores e o uso de delivery e vendas online para o agricultor que deseja vender ao consumidor final.

Pensando em quem produz para negociar com mercados e órgãos governamentais, o especialista orienta que procure por uma Organização de Controle Social (OCS).

Cenário para exportação de orgânicos

A apresentação do consultor do Sebrae ainda revelou que os Estados Unidos, Alemanha, França e, recentemente, a China se tornaram os principais destinos dos orgânicos brasileiros.

Outros dos interessados nos produtos daqui são Rússia, Coreia do Sul, Japão, Itália, Reino Unido e Dinamarca.

Na lista de produtos mais procurados estão mel, frutas, verduras e legumes, grãos, café, açúcar, castanha de caju, carnes, laticínios e têxtil.

Logo abaixo, você pode assistir ao Dia de Campo Seguro com as palestras completas:

Notícias Relacionadas:

Seguro rural: governo paulista não libera sua participação e preocupa produtores

Seguro rural: governo paulista não libera sua participação e preocupa produtores

Falta de repasse de recursos do governo de São Paulo e início do inverno ameaçam fruticultura em Indaiatuba

Técnica Rural: 3 coisas que você precisa aprender sobre organização comunitária

Técnica Rural: 3 coisas que você precisa aprender sobre organização comunitária

Assista a uma vídeo-aula exclusiva ministrada pelo SENAR-SP

Conheça 3 formas de manter pastagens disponíveis no inverno

Conheça 3 formas de manter pastagens no inverno

Instrutor do SENAR-SP mostra como é possível alimentar a boiada na estação mais fria do ano