Produtores da região de Piraju buscam capacitação e gestão familiar

Piraju e Manduri têm produtores abandonando atividades para dar lugar ao cultivo de cana-de-açúcar, soja e eucalipto

piraju-mercado-e-companhia

Em Manduri (SP), na região do município de Piraju, muitos produtores têm abandonado a pecuária leiteira e dado lugar a outras culturas por falta de incentivo. Porém, ao Canal Rural, o sindicato rural de Piraju revelou que está oferecendo cursos de capacitação e orientação para que o setor se fortaleça.

“A gente precisa fazer com que nosso agricultor tenha viabilidade para que seu negócio se perpetue, para que ele permaneça na atividade e que seus filhos façam a sucessão”, disse Luiz Otávio Motta, presidente do sindicato rural de Piraju. No momento, o desafio é ajudar o homem do campo a aumentar sua rentabilidade, para motivar a produção.

Segundo Motta, somente assim será possível ocorrer a sucessão familiar, que tem sido um problema na região, pois o desinteresse dos filhos tem feito os pais venderem suas propriedades. “Através do SENAR-SP, temos investido na região”, afirmou ele, destacando os programas de ensino sobre gestão disponibilizados pelo sindicato.

Dessa forma, o homem do campo estará apto para evitar prejuízos e tornar seu estabelecimento rural atrativo para as próximas gerações.

Abaixo, assista à entrevista completa no Mercado & Companhia:

O projeto Família Nação Agro é uma ação do Sistema FAESP/SENAR-SP para capacitar, promover e incentivar o produtor rural do estado de São Paulo.

Notícias Relacionadas:

La Niña demanda atenção dos produtores de frutíferas de clima temperado

Boletim da Seapdr traz prognóstico climático a recomendações fitotécnicas para vinhedos e pomares até dezembro

O universo dos fungos e a apicultura foram temas do Dia de Campo Seguro em Sorocaba

Empresário rural Iwao Akamatsu conta que 70 mil dos mais de 1,5 milhão de fungos foram estudados. Porém, há muito potencial a

Acordo entre Sindicafé-SP e Abics pretende estimular consumo de solúvel

Com a iniciativa inédita, produção de café solúvel estima um crescimento de 5% ao ano