Efeito coronavírus reduz preço do tomate pago ao produtor

 Os preços do tomate longa vida despencaram no atacado, e a justificativa é a falta de consumo da fruta em estabelecimentos de grande e médio porte como escolas e restaurantes, que foram obrigados a fechar em respeito a quarenta. Com isso o consumo diminui e os preços pagos ao produtor também. 

tomate ceagesp

A produção do Família Nação Agro entrou em contato com Allan Delfino, que é consultor em agronegócios, ele afirma que se o período de quarenta não for estendido, há chances de recuperação. “Os prejuízos até o momento é muito relativo, pois uma lavoura de tomate tem um ciclo de colheita de 60 a 90 dias, pois já estamos no outono e isso faz com que demore mais a maturação dos frutos, se a quarentena passar logo ainda há possibilidade de haver uma recuperação da demanda, assim os preços sobem e teremos uma média razoável. Ainda há chances de acabar tudo bem, mas se a coisa piorar vai ficar difícil não ter quebradeira no campo também.”

Outra preocupação, é com relação aos custos de logística, que podem afetar outros produtos. Com o preço abaixo do mercado,  o produtor pode não enxergar vantagens em enviar sua carga. “No estado de São Paulo hoje estamos em fase de colheita em várias praças produtoras. Dificilmente o produtor rural terá uma forma mais fácil e rápida de comercialização a não ser pelo modelo atual que é pelos centros de distribuição  (Ceagesp), a grande maioria nem teria capacidade de fazer uma logística para entrega direta a supermercados”. 

O centro de pesquisas econômicas da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Cepea, informou os preços pagos em São Paulo  foram de R$ 61,67 a caixa de 18-20 kg , redução de quase 25% no valor pago ao produtor. Já em Campinas, o valor foi de R$ 68,33, uma redução de quase 10%.

O produtor Cyro Abumussi, da Fazenda Ituaú de Salto, interior paulista, foi questionado sobre a redução dos preços do tomate e números de produção.  “O ritmo não mudou, a agricultura precisa continuar, alimento é gênero de primeira necessidade e não funciona com prateleira porque são extremamente perecíveis.” Em relação a queda de valores e de lucros, ele diz não estar surpreso por ser algo comum em meio às adversidades do setor rural, mas ressalta a necessidade de intervenção dos governantes. “O que entendo ser muito importante, nesse momento, é que o governo federal possa ajudar os pequenos agricultores de hortaliças e legumes que dificilmente tem fluxo de caixa para essa situação.” afirmou o produtor.

Notícias Relacionadas:

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Secretaria de Agricultura orienta pecuaristas e desenvolve estudos para controle do carrapato com o uso de produto natural e controle biológico

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

De olho no mercado de café, cafeicultores brasileiros vêm investindo na produção de cafés especiais em busca de maior retorno financeiro

FAESP busca isenção de ICMS para leite

FAESP busca isenção de ICMS para leite

A saída do produto cru e pasteurizado, que era isenta, passará a ser tributada em 4,14%