3 coisas que você precisa saber para vender ao governo

Cartilha do SENAR-SP mostra formas de venda, programas de aquisição do governo e pontos críticos para se avaliar antes da negociação

Moeda 1 real

Para evitar as instabilidades do mercado, que acabam sendo repassadas mais rapidamente por empresas privadas, uma solução é a venda de produtos ao governo. Afinal, o Brasil gastou mais de R$ 90 bilhões com licitações de bens e serviços apenas em 2018. Ou seja, o governo possui recursos e se mostra um bom pagador.

Mas, você sabe o que é preciso para negociar com o poder público, seja ela municipal, estadual ou federal? Em cartilha desenvolvida para aumentar a lucratividade do homem do campo, o SENAR-SP (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural do Estado de São Paulo) explica tudo o que é necessário comercializar produtos aos órgãos do governo.

Abaixo, listamos 3 coisas essenciais para se saber na hora de vender para o governo:

Venda direta e por licitação

É possível vender diretamente ao governo, mas apenas em algumas situações, como valores contratados abaixo de R$ 8 mil, em caso de calamidade pública, quando os governos estiverem comprando itens perecíeis sem tempo de licitação ou quando os produtores constituem associações ou cooperativas com o selo de OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público).

Além disso, é possível fazer a venda por licitações, que podem ser por Convite, Tomada de Preços, Concorrência e Pregão.

Políticas públicas de compras governamentais

O governo investe em programas de aquisição que têm como objetivo não só fortalecer a agricultura e pecuária nacional, como também atender às necessidades da sociedade.

O Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e Aquisição do Governo Federal (AGF) são alguns dos principais instrumentos com este propósito.

Pontos críticos na comercialização com o governo

De acordo com o SENAR-SP, os maiores riscos da comercialização com o governo dizem respeito a quantificação, sazonalidade da produção, capital de giro, precificação dos custos e a definição de um padrão de qualidade exigido pelo poder público.

Para mais informações, clique aqui e baixe a cartilha completa!

Notícias Relacionadas:

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Secretaria de Agricultura orienta pecuaristas e desenvolve estudos para controle do carrapato com o uso de produto natural e controle biológico

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

De olho no mercado de café, cafeicultores brasileiros vêm investindo na produção de cafés especiais em busca de maior retorno financeiro

FAESP busca isenção de ICMS para leite

FAESP busca isenção de ICMS para leite

A saída do produto cru e pasteurizado, que era isenta, passará a ser tributada em 4,14%