Tudo que você precisa saber sobre o Selo ARTE

Segundo o Ministério da Agricultura, mais de 200 mil produtores de queijo foram beneficiados até o momento

selo-arte-dia-de-campo-seguro

Garantia de qualidade de produtos artesanais, o Selo ARTE permite que o homem do campo negocie com mercados mais selecionados, que valorizam mais a mercadoria. Afinal, é com esta certificação que o agricultor ou pecuarista pode atestar a procedência de seus produtos.

Durante o Dia de Campo Seguro nesta quinta, 24, em Itu (SP), o advogado e produtor rural João Jacinto lembrou as origens do selo, além dos produtos que podem receber a autenticação e como é possível fazer sua requisição.

A legislação

O especialista em direito no agronegócio lembrou que o Selo Arte vem sendo trabalhado deste a Lei Federal nº 1.283/50, que estabelece serviços de inspeção, até ser firmado pela Lei 13.680/18 e regulamentado pelo Decreto nº 9.918/19.

Aliás, a Lei 13.680/18 promoveu adequação no processo de fiscalização dos produtos alimentícios de origem animal produzidos de forma artesanal, permitindo sua comercialização interestadual. Mas isso desde que submetidos à fiscalização de órgãos de saúde pública dos estados e do Distrito Federal.

A legislação ainda definiu que tais produtos devem ser registrados no serviço de inspeção municipal (SIM) ou estadual (SIE) e para receber a identificação por selo com indicação ARTE.

Quais produtos podem ter Selo ARTE

Pelo Decreto nº 9.918/19, produtos comestíveis com matéria prima de origem animal, sejam de produção própria ou de origem determinada. Estes alimentos devem resultar de técnicas predominantemente manuais, indivíduo que detenha o domínio integral do processo produtivo.

O produto ainda deve ser individualizado, genuíno, singular, e possuir características tradicionais, culturais ou regionais, segundo Jacinto.

Quem pode requisitar o Selo ARTE

Os órgãos de agricultura e pecuária dos estados estão autorizados a conceder o selo ARTE aos produtos alimentícios de origem animal preparados de forma artesanal.

Até a publicação de normas complementares, os estados com legislação própria de produtos alimentícios de origem animal reconhecidos como artesanais e que consideram aspectos de sanidade animal e Boas Práticas Agropecuárias podem conceder o selo ARTE.

Fiscalização

Em estabelecimentos fabricantes, a inspeção dos aspectos higiênico-sanitários e de qualidade serão de responsabilidade do serviço de inspeção oficial. Ou seja, a fiscalização deve ser feita por órgãos estaduais de defesa sanitária ou órgãos de inspeção municipal.

Quanto ao comércio varejista e atacadista, a responsabilidade dica a cargo de órgãos de saúde pública dos estados e do Distrito Federal.

Benefícios do Selo ARTE

Além de permitir a comercialização em todo território nacional, a certificação agrega valor aos produtos, viabiliza a venda direta, que beneficia pequenos produtores rurais e agricultores familiares, bem como propicia o alcance de novos mercados.

SOBRE O TEMA TURISMO RURAL PÓS PANDEMIA, EM BREVE NOVO TEXTO AQUI NO SITE.

Para mais informações, assista à palestra completa no vídeo abaixo, a partir do minuto 06:00 do vídeo:

A apresentação integra o projeto Família Nação Agro, iniciativa do Sistema FAESP/SENAR-SP para capacitar, promover e incentivar o produtor rural do estado de São Paulo.

Notícias Relacionadas:

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Carrapato do bovino: saiba o que é preciso para um controle efetivo do parasita no rebanho leiteiro

Secretaria de Agricultura orienta pecuaristas e desenvolve estudos para controle do carrapato com o uso de produto natural e controle biológico

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

Cafés especiais proporcionam inúmeras experiências sensoriais aos consumidores

De olho no mercado de café, cafeicultores brasileiros vêm investindo na produção de cafés especiais em busca de maior retorno financeiro

FAESP busca isenção de ICMS para leite

FAESP busca isenção de ICMS para leite

A saída do produto cru e pasteurizado, que era isenta, passará a ser tributada em 4,14%